MORRE GUIDO ANDRADE


11/03/2002

MORRE GUIDO ANDRADE

Faleceu, hoje (11) na cidade de São Paulo, o dr. Guido Antonio Andrade, presidente da OAB SP entre 1995 e 1997. O velório será no Cemitério Morumbi, onde também acontecerá o enterro, amanhã (12), às 11 horas. A Ordem decretou luto oficial por três dias.
<br><br>
NOTA OFICIAL
<br><br>
A OAB SP, sensibilizada pelo falecimento do emérito advogado, Guido Antonio Andrade, presidente dessa entidade no triênio 1995-1997, se irmana aos sentimentos de pesar de todos os operadores do Direito, externando suas condolências a familiares e amigos neste momento de luto.
<br><br>
Guido Antonio de Andrade foi um homem idealista, que sempre gostou de desafios, dentro e fora dos Tribunais. O último deles foi continuar advogando em casa, sobrepujando as limitações impostas pela doença e dando continuidade aos 40 anos de exercício profissional, que iniciou como jovem causídico em Minas Gerais.
<br><br>
A exemplo de outros grandes advogados, Guido Andrade também viveu da Advocacia, pela Advocacia e para a Advocacia, sem ignorar os sacrifícios do ofício. Demonstrou dedicação ímpar na presidência da Seccional Paulista da OAB, onde enfatizou a postura ética e o papel social, indicando nobres horizontes a seus pares.
<br><br>
O legado de Guido Antonio de Andrade engrandece a Advocacia Paulista e Brasileira, porque soma cultura jurídica, visão humanística, lealdade, desprendimento, compromisso com a cidadania e a defesa incondicional da ordem jurídica.
<br><br>
Devido ao passamento do dr. Guido Antonio Andrade , a Seccional Paulista da Ordem dos Advogados do Brasil está decretando luto oficial por três dias em todas as Subsecções do Estado.
<br><br>
Carlos Miguel Aidar<br>
Presidente da OAB SP
<br><br>
Guido Andrade: perfil
<br><br>
Guido Antonio Andrade nasceu na cidade de Santa Rita de Cássia, no sul de Minas Gerais. Segundo filho de uma família de seis irmãos, começou a trabalhar aos oito anos e aos 12 já havia decidido ser advogado. Seu primeiro emprego foi como auxiliar no Cartório de Registro de Nascimento de sua cidade natal, onde digitava em máquina de escrever os registros de nascimento, casamento e óbito.
Já morando em Uberaba, aos 11 anos, foi admitido no 2º Ofício local, que funcionava dentro do fórum. Lá, assumiu, aos 19 anos, interinamente a parte judicial do cartório, tendo inclusive de se emancipar para poder exercer tal função. Aprendeu então a fazer petições e chegou a dar assessoria para advogados experientes.
<br><br>
Guido Andrade iniciou sua vida acadêmica na Faculdade de Direito do Triângulo Mineiro, mas concluiu o curso de Direito na Faculdade de Uberaba. Quando estava prestes a se formar, resolveu trabalhar em São Paulo. O primeiro emprego no estado, aos 25 anos, foi como assessor jurídico da Metal Leve. Montou escritório também com Álvaro Villaça Azevedo, advogado e ex-diretor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na rua José Bonifácio. Seu primeiro escritório próprio funcionou na rua Senador Feijó, onde ficou 11 anos e era vizinho de Miguel Reale e de Vianna de Moraes.
<br><br>
Em 69 ingressou como professor de Direito Comercial na Faculdade de Direito de Bragança Paulista, de onde saiu depois de dar nota 0 para 50% dos alunos. Deu aulas também no Largo São Francisco, até como forma de tentar vencer o preconceito por ter se formado no interior de Minas.
<br><br>
Em 74 foi convidado por João Nascimento Franco a ingressar no Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp). Em 82 foi nomeado como diretor da comissão da nova sede, depois exerceu quase todos os cargos na entidade.
<br><br>
Em 94, concorreu com chapa única para a presidência da Seccional Paulista da Ordem dos Advogados (OAB-SP) e exerceu a presidência no triênio 1995/1997, tendo passado também por todos os cargos da diretoria, exceto a vice-presidência
Guido Andrade recebeu diagnóstico de câncer em 1996 e passou por diversas cirurgias, tendo se submetido também a tratamentos de quimioterapia.
<br><br>
Atualmente, estava casado com Joana Guilhem de Andrade, com quem tem uma filha, Lígia. Deixa também os filhos Gustavo Augusto de Andrade e o advogado Fúlvio Guido de Andrade, de seu primeiro casamento com a jornalista Diva Sevilho.
<br><br>