MANIFESTAÇÃO CONTRA A CORRUPÇÃO SERÁ NO DIA 6 DE SETEMBRO


31/08/2005

MANIFESTAÇÃO CONTRA A CORRUPÇÃO SERÁ NO DIA 6 DE SETEMBRO

MANIFESTAÇÃO PÚBLICA CONTRA A CORRUPÇÃO SERÁ NO DIA 6 DE SETEMBRO

Na véspera do Dia da Independência, as entidades da sociedade civil realizam manifestação no Centro de São Paulo


No próximo dia 6 de setembro, às 10 horas, as entidades da sociedade civil - lideradas pela OAB SP, ACSP, Força Sindical, CIESP e Sescon - promovem uma MANIFESTAÇÃO PÚBLICA CONTRA A CORRUPÇÃO pelo Centro histórico de São Paulo, com início na Praça da Sé. “A corrupção e a ilegalidade violam a cidadania, afetam a qualidade de vida de todos os brasileiros e comprometem a normalidade jurídica do país. O País, depois de tantas crises, anseia por varrer a corrupção da sua rotina. Para tanto, precisamos que a sociedade civil se mobilize, vá às ruas, exponha a sua discordância diante da crise política, das denúncias de corrupção envolvendo os Poderes Executivo e Legislativo ” afirma o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso. A proposta da Manifestação Pública foi lançada pela Força Sindical na primeira reunião do Movimento pela Legalidade.

A Manifestação, com início na Sé, percorrerá as ruas Boa Vista, Líbero Badaró, Viaduto do Chá e Praça Ramos, onde haverá dispersão e execução do Hino Nacional. Todo o trajeto será em silêncio e não haverá discursos. "Não queremos partidarizar o ato, queremos expressar uma atitude. Na véspera do Grito da Independência, desejamos externar o nosso grito de silêncio e indignação diante da amplitude das denúncias de corrupção", afirma D´Urso. As entidades também vão divulgar um Manifesto , enfatizando que a sociedade brasileira quer a verdade.


Segundo o presidente da OAB SP, o país tem passado por inúmeras crises como resultado do próprio dinamismo da democracia, da pluralidade de pensamento e da abertura do debate com todos os segmentos sociais. “Com o amadurecimento democrático, temos conseguido resolver de forma pacífica muitas de nossas adversidades, especialmente a falta de comportamento ético dos representantes dos poderes constituídos. Porém, enfrentamos, atualmente, uma de nossas crises políticas mais graves. Ela remete para uma crise moral e ética sem precedentes, podendo trazer conseqüências desastrosas para o país, caso venha a atingir as instituições. Por isso, acredito que os advogados, estagiários, bacharéis e os estudantes de Direito - que sempre estiveram presentes nos principais momentos da vida política brasileira - também se façam presentes nesse ato”, afirma D´Urso.

Mais informações na Assessoria de Imprensa da OAB SP, pelos telefones 3291-8175/82.