OAB SP QUER SABER SE OPERAÇÃO SATIAGRAHA GRAMPEOU ADVOGADOS ILEGALMENTE


12/02/2009

A partir da informação que, além de autoridades do judiciário e parlamentares, advogados também teriam sido investigados e grampeados ilegalmente durante a operação Satiagraha, o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, nomeou o advogado criminalista José Roberto Batochio, conselheiro federal emérito e membro nato da OAB, para emitir um parecer sobre o tema.

 

“ Não se pode admitir os excessos de autoridades durante investigações  policiais porque essa atitude é tão nociva para a sociedade quanto à conduta a ser investigada”,  diz D´Urso.O parecer foi feito depois das evidências que advogados foram espionados durante a operação Satiagraha, realizada pela Polícia Federal para investigar supostos crimes do banqueiro Daniel Dantas.

 

“A OAB SP apóia o Estado em suas investigações criminais para apurar e punir aqueles que cometem crimes. Mas todos devem trabalhar dentro da lei. Não podemos compactuar com atitudes ilegais de quem deve zelar pela democracia e pelo Estado de Direito”, completa o presidente da OAB SP.

 

No parecer, Batochio afirma que outras pessoas foram perseguidas pela polícia, além do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh,  Nélio Machado, também defensor de Daniel Dantas, se afastou do caso depois que foi divulgado que ele também seria alvo das investigações do delegado Protógenes.Durante a Operação Gepeto, que investigou possíveis condutas irregulares na Satiagraha, a PF apreendeu material na Abin e na casa do delegado comprovando a existência de escutas telefônicas, filmagens e fotografias de advogados, parlamentares, autoridades do governo federal e de jornalistas.