D´URSO ABRE CONGRESSO ESTADUAL DO JOVEM ADVOGADO


02/04/2009

Com o Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo inteiramente lotado, o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, abriu, na manhã desta segunda-feira (30/3), o II Congresso Estadual do Jovem Advogado, promovido pela Comissão do Jovem Advogado da OAB SP, presidida por Hélio Gustavo Alves.

 D´Urso proferiu palestra sobre “Advocacia e os Novos Mercados de Trabalho” e destacou a importância da profissão para o Brasil. “Os advogados e estudantes de Direito estiveram presentes em todas as páginas da história do país e o futuro do Brasil está nas mãos dos advogados porque não há força que destrói os sonhos.”

 

Para o presidente,  a advocacia vive um dos seus melhores momentos porque o mercado de trabalho para o advogado se amplia a cada dia.“Há uns 15 anos, vieram me dizer que era necessário preservar o mico leão dourado e eu pensei: que bicho feio! Depois me dei conta de que aquele macaquinho era parte de um universo e que deveria ser protegido para preservar a vida do homem e o meio ambiente. Dentro dessa perspectiva, criaram-se leis de preservação e abriu-se um novo campo de trabalho para o advogado. O mesmo aconteceu com o Direito do Consumidor, com o franshing, com o biodireito, com a informática e com as telecomunicações. Todos esses temas levaram a uma abertura de mercado de trabalho para nós, advogados”, explicou.

 

Mas o presidente fez um alerta. O mercado está se ampliando, mas é extremamente competitivo. “E para isso precisamos estudar, estudar e estudar.”

 

O presidente da Comissão do Jovem Advogado da OAB SP, Hélio Gustavo Alves, ressaltou a importância do evento e falou sobre o objetivo da comissão, que é lançar novos acadêmicos, novas autoridades e novos autores. “Queremos despertar o interesse do jovem pela vida acadêmica e, principalmente, despertar o jovem para a profissão de advogado.”

 

“O jovem está mais preocupado com os estudos, com a carreira e deixa a OAB meio de lado. Mas nós temos aqueles advogados que se preocupam com a Ordem desde a faculdade e estes que freqüentam as coordenadorias do Núcleo Acadêmico têm se destacado muito na profissão”, afirmou.

 

Alves falou ainda da especialização dos novos advogados. “Percebemos que os advogados que buscam a especilização estão conseguindo  espaços mais facilmente do que aqueles que atuam em todas as áreas, por isso nós montamos o Congresso com esse tema, os novos mercados de trabalho.”

 

O presidente da CAASP, Sidney Uliris Bortolado Alves, trouxe uma novidade para o debate, informou que, durante a Feira dos Novos Mercados, que acontecerá no Anhembi, entre 14 e 16 de abril, sera lançado um programa de computador para gerir escritórios de advocacia sem a necessidade da presença física do advogado no escritório,a longa distância. “E o melhor, esse programa será gratuito para os advogados do Estado por seis meses e por dois anos para o jovem advogado que receber a sua carteira a partir de 14 de abril.”

 O professor Amaury Mascaro Nascimento foi um dos palestrantes do dia e discorreu sobre o tema “Novos Rumos do Direito do Trabalho”. Iniciou a palestra tratando da diferença dos modelos de direitos trabalhistas na União Européia, nos Estados Unidos e no Brasil.

 

“Na União Européia temos normas para a comunidade e legislação específica de cada país. Já nos Estados Unidos, existem pouquíssimas leis e os contratos de trabalho são regidos por convenção coletiva entre o sindicato e os patrões. No Brasil temos a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e muitas outras leis regendo o direito trabalhista”, explicou.

 

Segundo ele, o Brasil deveria mudar esse modelo. “Deveríamos reunir todas essas leis e normas em um texto para reformar a CLT, assim facilitaria o trabalho e acabaria com a insegurança jurídica existente.”

 

Mascaro também citou os estudos como fundamental para o bom desempenho profissional, mas afirmou que um pouco de sorte também ajuda.

 

“Depois de formado, decidi prestar concurso para procurador. Estudei muito e na noite anterior à prova, resolvi ler uma revista, a revista do Ministério Público. Li um artigo e dormi. No dia seguinte a dissertação da prova era sobre o tema que eu havia lido na noite anterior. Conclusão: fui o segundo colocado. Por isso desejo a vocês sorte, mas nunca esqueçam  de que Direito não é só lei. Direito é experiência de vida, é bom senso, é razão”, finalizou o professor.

 

O presidente da Comissão de Sociedade de Advogados, Horário Bernardes Neto, proferiu palestra sobre “Novos Rumos do Direito Empresarial” e tratou da transição do conceito de advocacia.

 

“No século 19, o advogado era generalista, literato, poeta, latinista. Já no século 20, a especialização dominou o mercado e hoje não falamos mais fulano de tal é nosso cliente. Não existe mais isso. O que temos atualmente são escritórios que substituíram os advogados generalistas porque em cada um desses escritórios é possível encontrar vários advogados especializados e, assim, atender as empresas. Portanto, as sociedades de advogados refletem as características do advogados generalistas do século 19”, explicou Bernardes.

 

Para ele, a advocacia é a única profissão que não pode ser globalizada. “Além da legislação diferente, temos os problemas da língua e da cultura.”Finalizando, Bernardes falou do futuro. “O advogado terá de se conformar com o estreitamento do campo de trabalho porque existem pressões de outros profissionais para atuar em áreas hoje que são dos advogados.”