FABÍOLA MARQUES PRESIDIRÁ COMISSÃO DA MULHER ADVOGADA


01/02/2010

“ A Comissão da Mulher Advogado ainda é fundamental. Sonho com o dia em que não será mais necessária para proteger e debater os direitos das mulheres”, afirmou a conselheira seccional, Fabíola Marques, nomeada pelo presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, para presidir a Comissão em 2010.

 

“ Fabíola Marques tem o perfil e a liderança necessários para presidir a Comissão da Mulher Advogada, uma vez que já  presidiu a Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo e demonstrou empenho e competência na defesa dos interesses das mulheres advogadas”, afirmou D´Urso.

 Para a nova presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB SP, as mulheres ainda pensam de forma equivocada quando se vangloriam de terem maridos que ajudam em casa. “ Isso significa que a mulher continua a ser responsável e que o homem apenas auxilia. Queremos  direitos iguais e a igualdade implica na divisão de tarefas de forma proporcional.Precisamos, portanto, mudar a mentalidade de homens e mulheres”, explicou Marques.

 Os primeiros passos da Comissão serão buscar parcerias com entidades de defesa da mulher  e preparar um evento para comemorar o Dia Internacional da Mulher ( 8 de março).” O ideal seria um debate com três mesas sobre Direito do Trabalho, Violência contra a Mulher e experiências de vida, na qual mulheres  bem sucedidas em suas áreas, com abrangência marcadamente masculina, falassem de suas experiências”. Fabíola também quer prestar homenagem a antigas presidentes da Comissão da Mulher Advogada.

 Fabíola Marques  pretende, ainda, ampliar o trabalho com as Comissões e Comitês da Mulher Advogada nas Subsecções e realizar debates sobre temas do momento, como por exemplo, a regulamentação das regras para ampliação voluntária da licença-maternidade, de 4 para 6 meses, concedida a título de incentivo fiscal para as empresas cadastradas no programa Empresa Cidadã.

 Na avaliação de Fabíola Marques, as operadoras do Direito ainda ocupam poucos cargos nas cúpulas de suas entidades de classe. “ Por isso é importante que a Comissão atue de forma consistente   na busca da igualdade de gênero”, afirmou. Fabíola também pretende dar continuidade  à publicação das Cartilhas da Comissão,  que já trataram dos temas da Saúde, Trabalho e Violência.