MARCOS DA COSTA VAI PRESIDIR COMISSÃO DE ASSUNTOS DO JUDICIÁRIO


03/02/2010

“ Nossa prioridade será a interlocução com o Poder Judiciário como um todo e , em particular,com todos os Tribunais: Estadual, Federais, do Trabalho, Eleitoral e Militar . Pretendemos também levantar um mapa sobre as principais questões que envolvem a Justiça em cada comarca e sessão judiciária do Estado”, ressalta o vice-presidente da OAB SP, Marcos da Costa, nomeado pelo presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D´Urso, para presidir a Comissão Especial de Assuntos do Judiciário no triênio 2010/2012.

 

“Desde que assumimos a presidência da OAB SP, em 2004,  contamos com o trabalho e senso prático de Marcos da Costa .Como diretor-tesoureiro,  saneou as contas da Ordem e fez com que o patrimônio da entidade se expandisse. Esperamos contar com seu dinamismo para trazer novas idéias para agilizar a Justiça no interesse do juridiscionado e dos operadores do Direito”, ponderou D´Urso.

 Uma das grandes preocupações de Marcos da Costa é com o número insuficiente de servidores, o que vem dificultando o trabalho nas Varas já instaladas e nas novas. “  Vamos acompanhar as demandas de criação e instalação das Varas e a partir do mapa que vamos  levantar de forma regionalizada com a parceria das Subsecções, detectaremos os problemas, encaminhando sugestões para os tribunais correspondentes”, explica Costa, que também pretende acompanhar o andamentos de reformas e ampliações dos fóruns junto ao TJ-SP e Secretaria da Justiça. Neste mês, por exemplo, serão inauguradas as obras de reforma do Fórum de Fernandópolis.  

Para o vice-presidente, assumir a Comissão de Assuntos do Judiciário é mais um desafio. “Quando assumimos a Ordem, tivemos de empreender um grande  esforço no sentido fazer com que a OAB SP voltasse a crescer financeiramente e, agora, temos outro desafio pela frente que é trabalhar para que o Judiciário possa atingir a qualidade e a rapidez que todos anseiam. Sabemos das dificuldades, mas iremos atuar junto com o Poder Judiciário para tentar, de todas as formas, melhorar a qualidade dos serviços prestados à sociedade, que também resultará em melhores condições de trabalho para os operadores do Direito”, enfatizou Marcos da Costa.