CONSELHO SECCIONAL AVALIA IMPACTO DA GREVE


11/06/2010

Na segunda-feira (14/6), durante a reunião do Conselho Seccional, a cúpula da OAB SP vai analisar que medidas serão tomadas pela advocacia para demonstrar os prejuízos da greve do Judiciário estadual e a reação da classe ao movimento de paralisação, que ultrapassa um mês e meio. “ Somos favoráveis aos pleitos trabalhistas dos funcionários da Judiciário, no entanto, não compactuamos com a greve que inviabiliza a aplicação da Justiça no Estado”, assegura Luiz Flávio Borges D’Urso.

Pelo segundo dia consecutivo,  nesta sexta-feira (11/6), o  Fórum João Mendes, onde tramitam cerca de 2,5 milhões de ações,  está fechado  em decorrência da greve dos servidores do Judiciário Paulista; assim como o Fórum Eli Lopes, também no centro de São Paulo, que  trata dos processos da  Fazenda Pública e de acidentes de trabalho.

De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo, os prazos processuais também serão suspensos nesta sexta-feira, a exemplo do que ocorreu na quinta-feira (10/6). Assim, mesmo a OAB SP pediu a suspensão de prazos no Estado inteiro e até a normalização dos serviços.

“ Como os servidores que ocupavam o saguão do João Mendes deixaram o prédio, temos esperança de que  na segunda-feira a  rotina  seja retomada nos Fóruns João Mendes e Eli Lopes, assim como em  todas as comarcas do Estado, uma vez que as paralisações desses dois dias trouxeram incontáveis transtornos a milhares de cidadãos e impediram que os advogados pudessem trabalhar. Precisamos que o TJ-SP , entidades representativas dos serventuários e governo cheguem a um denominador comum, que acabe definitivamente com a greve”, afirmou D´Urso.