SALA DO ADVOGADO NO TRT-2 RECEBERÁ O NOME DE GRANADEIRO GUIMARÃES


22/06/2010

A direção do Tribunal Regional do Trabalho - 2ª Região acatou pedido da OAB SP para nomear a Sala dos Advogados daquela Corte como “Sala dos Advogados Dr. José Granadeiro Guimarães”, em homenagem ao advogado trabalhista. A inauguração será nesta quinta-feira (24/6), às 17 horas. “Tamanho era o amor e a dedicação do Dr. Granadeiro (...) à advocacia que chegou, no início dos anos 70, a declinar do convite para compor, na condição de ministro, a mais Alta Corte Trabalhista, o Colendo Tribunal Superior do Trabalho”, diz um trecho do pedido.

 

 “ Todos os advogados que atuaram para engrandecer a advocacia e defender a cidadania merecem ser homenageados e, no caso de Granadeiro Guimarães,  essa homenagem se reveste de unanimidade”, afirma o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, lembrando que a Sala dos Advogados na Justiça Trabalhista teve seu espaço ampliado e recebeu novos equipamentos.

 Para Eli Alves Silva, presidente da Comissão de Direito Trabalhista da OAB SP, onde surgiu a proposta da homenagem, Granadeiro Guimarães pode ser considerado um paradigma na profissão. “ Ao longo da carreira, sempre despertou a atenção redobrada de  advogados e magistrados para as teses que defendia. Foi um profissional coerente, que honrou a profissão e dignificou a advocacia”, destacou Eli.

  Nascido em 1916, José Granadeiro Guimarães fazia parte de uma família tradicional do Direito. Seu avô Francisco Granadeiro da Silva Guimarães graduou-se em 1893 na Faculdade de Direito da Cidade de São Paulo, hoje a chamada Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. O pai, Renato, formou-se lá em 1919, e José, em 1939.

 A carreira de Granadeiro Guimarães ao longo de quase 70 anos  foi dedicada ao Direito Trabalhista. Em 1941, participou da audiência inaugural das Juntas de Conciliação, época em que constituiu escritório especializado em Advocacia Trabalhista - Granadeiro Guimarães Advogados, na Praça Ramos de Azevedo. Aquela era também a época do nascimento do Direito Laboral no Brasil.Até o falecimento, no dia 18 de junho de 2008, aos 92 anos de idade, foi um advogado militante. Com a ajuda de uma bengala, ia três vezes por semana ao escritório, sua “segunda casa”, como dizia, e duas vezes ao TRT, para fazer a sustentação oral na defesa de seus clientes. Seus filhos Maurício, Pérsio e Maria da Conceição, e os netos Gustavo e Guilherme seguiram os passos do advogado e optaram pela carreira no Direito.