PARA ARQUIDIOCESE, OBRA DE GIL VICENTE FAZ APOLOGIA À VIOLÊNCIA


18/10/2010

A Arquidiocese de São Paulo, por meio do vigário episcopal e porta-voz, cônego Antônio Aparecido Pereira, divulgou nota oficial repudiando as obras da série “Inimigos”, do artista plástico Gil Vicente, expostas na Bienal de Artes de São Paulo, que mostram o autor matando personalidades como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o papa Bento XVI.

 A nota informa que a Arquidiocese encaminhou seu entendimento sobre o trabalho de  Gil Vicente, formalmente, ao Ministério Público de São Paulo no dia 24 de outubro, trabalho este que causou “estranheza, desconforto e repúdio”.

 

Os religiosos destacam ainda “um mau gosto repugnante e de implícita apologia à violência” e afirmam que a comunidade católica “sente-se ofendida e triste com o desrespeito ao papa Bento XVI”.

 

Em 17 de setembro, a OAB SP oficiou a curadoria da Bienal pedindo a retirada das obras de Gil Vicente da exposição. Com a decisão de não retirar as obras, a Ordem oficiou ao Ministério Público pedindo providências porque o trabalho do artista faz apologia ao crime, previsto no artigo 287, do Código Penal.