SECRETÁRIA-ADJUNTA QUER MAIS INTEGRAÇÃO ENTRE COMISSÕES DA SECCIONAL E SUBECÇÕES


25/10/2010

No segundo painel do XXXIII Colégio de Presidentes das Subseções, a diretora Secretária Adjunta da OAB SP, Clemencia Beatriz Wolthers, expôs um plano de ação para ampliar a integração entre as Comissões da Secional e das Subseções, contendo uma série de ações.

Uma das preocupações que levantou foi a falta de informações completas e centralizadas sobre os trabalhos realizados por mais de 13 mil advogados que em todo o estado participam de alguma comissão, quer seja na Seccional, quer seja em Subseções. Clemencia Wolthers explicitou a idéia de “criar um cadastro unificado de todos os membros, de todas as comissões existentes na Seccional e nas Subseções”. A ação proposta evitaria trabalhos duplicados além de tornar possível “disparar [via internet ou por mala direta] comunicados, materiais e notícias de interesse de todo um segmento que está trabalhando em uma determinada área do direito ou da advocacia”, completou Clemencia.

A forma de trabalho das comissões, sem este cadastro centralizado e o decorrente acompanhamento, causa preocupação à Ordem, segundo a secretário adjunta : “nós temos um regimento interno que deveria ser utilizado por todas as comissões”. Entre as propostas para a integração das Comissões, ganhou destaque a idéia de estabelecer um integrante das Subseções que atuará como “membro correspondente”, que pela internet (via MSN e e-mails) fará fazer o elo de comunicação com as comissões formadas nas subseções. “Eu sugeriria aos presidentes das comissões da Seccional que assumam a responsabilidade da integração com as comissões das Subsecções, não fiquem limitados à direção da presidência da comissão da seccional São Paulo”, invocou Clemência.

A diretora Secretária-adjunta da OAB SP elencou outra proposta para o plano de ação: verificar as cartilhas que já existem e, possivelmente, elaborar novas, sobre o ramo do direito objeto da comissão. “Recomendo que uma cartilha seja adotada por todas as comissões, o ideal é que seja comum entre todas as comissões que tratam de um mesmo assunto e que a distribuição deste material seja a mais farta possível e sugiro o uso de Cd´s com o conteúdo gravado, por ser uma forma econômica de propagar estas informações” opinou Clemência, que ainda ressaltou que os presidentes de comissões na Secional devem tomar a iniciativa de enviá-la [cartilha] para as comissões co-relatas nas Subseções.

A diretora lembrou, ainda, que no site da  OAB SP foi recentemente atualizado o link das comissões, que além de conter os nomes de presidentes e componentes de cada uma, traz formas de contato, artigos e notícias relacionados ao tema da comissão. Também sugeriu a criação de comissões de sociedade de advogados em todas as Subsecções que tenham mais de 10 sociedades registradas e um Banco de Projetos e ações das Comissões.

Ainda pelo plano de ação traçado, a integração não deve ocorrer apenas entre as comissões que tratem de um mesmo assunto; numa visão multidisciplinar, Clemência recomendou que “quando o trabalho de uma comissão possa abranger a área temática de outra, que se procure agendar reuniões conjuntas”.

A mesa foi presidida pelo presidente da Subsecção de São Bernardo do Campo, Uriel Carlos Aleixo e o presidente da subseção Piracicaba, Odinei Roque Assarisse reforçou a necessidade  de se fazer um mapeamento das comissões existentes nas subseções por todo o estado, “para traçar um perfil exato, por que há Subseções que contemplam comissões que nem mesmo a Seccional tem, devido à necessidade de tratar determinado tema naquela região, naquele local”, explicou Ferreira.

Por fim, Anis Kfouri Júnior, diretor da CAASP, falou a respeito da importância das comissões formadas na seccional e nas subseções da Ordem quando o tema tratado está relacionado aos novos campos de trabalho que estão surgindo para a advocacia e o direito brasileiros, como “direito de recuperação, direito da informática, direito internacional” e outras áreas destacadas por Kfouri Júnior, que aponta estes novos mercados como um caminho promissor para aplacar as dificuldades que a classe vem enfrentando no mercado de trabalho tradicional.