OAB SP APRESENTA QUADROS RESTAURADOS DE PERSONALIDADES JURÍDICAS


18/11/2010

Em cerimônia realizada na Casa da Memória da OAB SP (Rua Anchieta, 35 – Centro), semana passada, foram entregues nove quadros de valor histórico, restaurados por iniciativa da Comissão de Resgate da Memória da OAB SP , com apoio e recursos da empresa Simpress , por meio da Lei Rouanet de incentivo à cultura. Os quadros ficarão expostos na Casa da Memória.

Os nove quadros retratam personalidades jurídicas e ex-presidentes da Ordem: Rui Barbosa, Clóvis Bevilacqua, João Mendes de Almeida, Plínio Barreto, José Manuel de Azevedo Marques, Jorge da Veiga, João Braz de Oliveira Arruda, Benedicto Galvão e Francisco Antônio de Almeida Morato. São pintura a ólero, com 81 cm por 92 cm, dispostas em molduras feitas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, de autoria de Alípio Dutra e Arnaldo Barbosa, entre outros artistas.

O presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D'Urso, afirmou estar feliz pelo sucesso do resultado  obtido na restauração dos quadros de  grande valor histórico e artístico. " É mais uma conquista da Casa da Memória da OAB SP, que torna perene a história da OAB SP e daquelas personalidades que ajudaram a consolidar a advocacia, servindo de inspiração a novas gerações", afirmou. D'Urso  comprometendo-se, ainda, a  publicar um livro documentando todo o processo de restauração, "com o intuito de reforçar o registro histórico que estas obras merecem."

O conselheiro Fabio Trombetti, diretor da Casa da Memória , ponderou que a noite era para agradecimentos, a começar pelo presidente seccional , que foi o grande incentivador do projeto " Os quadros falam por si só. É uma alegria devolvê-los recuperados, principalmente pela qualidade da restauração realizada, de cunho internacional", destacou.

Para o presidente em exercício da Comissão de Resgate da Memória da OAB SP, José de Ávila Cruz, ver o resultado final de mais de três anos de trabalho traz satisfação. "É um caso de preservação da história do país e da advocacia”, avaliou, apontando ser um exemplo de  respeito aos recursos da OAB SP, que por meio da lei Rouanet conseguiu o feito de restauração dos quadros sem a utilização de dinheiro da Ordem.

Além das imagens de pessoas importantes para a história da OAB SP e do país, os quadros são um registro da arte paulista do século XX. Não apenas as telas representam isto,como também as molduras executadas com trabalho refinado e técnicas manuais hoje em dia pouco empregadas. Ao longo do trabalho de restauração, todas as características que tornam estes quadros únicos foram catalogadas pelo ateliê responsável .

 

Entre outras autoridades, também participaram do evento, o presidente da Caasp, Fábio Romeu Canton Filho, o conselheiro, Antonio Ruiz Filho, presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB SP, o conselheiro Rui  Augusto Martins,  José Eufébio de Abreu Dias, gerente de contas   da Simpress e os restauradores Domingo Isaac Tellechea e Maria Josefa Arenas.

O caminho para a restauração

Em meados de 2002, os quadros foram encontrados em uma das dependências da sede da OAB SP, no centro de São Paulo, em local inapropriado para sua conservação. Levados para a sede do Jornal do Advogado  até chamar a atenção de Fábio Trombetti. A partir de 2004, foram iniciadas as pesquisas para verificar como os quadros poderiam ser restaurados e em 2007 o processo para a obtenção de recursos por meio da Lei Rouanet.

Relatando a dificuldade ao longo deste processo, Trombetti conta que “na primeira vez que fizemos o requerimento ele foi indeferido, tivemos de recorrer. OMinistério da Cultura não achava que a Ordem estava enquadrada nos termos previstos na lei, que é trabalho no nível cultural”, fato que foi superado no recurso, em que o Departamento de Cultura e Eventos foi de suma importância para demonstrar que a OAB SP tem sim expressão no cenário cultural paulista, especialmente no aperfeiçoamento cultural da advocacia, como prevê o estatuto da Ordem.

O processo foi deferido em outubro de 2009, o que forçou  a Comissão de Resgate da Memória da OAB SP a correr contra o tempo, pois era necessário conseguir em menos de três meses a abertura de uma conta específica e fechar a parceria com alguma empresa da iniciativa privada, que teria de depositar o valor até 31 de dezembro, caso contrário novo processo teria de ser elaborado.