D´URSO CRITICA DESIGUALDADE SOCIAL E APONTA TEMA COMO PRIORIDADE DA OAB SP


17/01/2012

“O combate às desigualdades sociais é uma das maiores e permanentes urgências que deveria permear todo e qualquer governo, e é sem dúvida uma das bandeiras permanentes da OAB SP”, disse o presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D’Urso, ao comentar dados do IBGE que apontam a continuidade das desigualdades no Brasil.

Segundo os números divulgados no início deste mês, que consideram o Censo 2010, os 10% mais ricos do país têm renda média mensal 39 vezes superior à dos 10% mais pobres. A média geral é de R$ 1.202, mas, enquanto a parcela dos mais pobres ganha cerca de R$ 137 mensais, a dos mais ricos tem como média R$ 5.345. Considerando a fatia do 1% mais rico, a média é de R$ 16.561.<br /><br />Os números levam em conta 101,8 milhões de habitantes com 10 anos ou mais, com algum tipo de rendimento. Analisando toda a população, a média mensal ficou em R$ 668 – no período, metade dos habitantes recebia, entretanto, até R$ 375. No caso dos negros, a média (R$ 833,21) equivale a 54% da dos brancos (R$ 1.535,94).<br /><br />“As políticas públicas voltadas para a redução da desigualdade social, como os programas de transferência de renda, são essenciais e obtiveram grandes conquistas. No entanto, as diferenças sociais no país ainda são gritantes e requerem toda a atenção dos governantes e da sociedade”, afirmou o presidente da OAB SP.