SECCIONAL E MMDC CELEBRAM REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA


05/06/2012

O vice-presidente da OAB SP, Marcos da Costa; o conselheiro e diretor da Casa da Memória Fabio Tronbetti e o diretor da CAASP, Anis Kfouri Júnior foram agraciados com a medalha MMDC, durante o evento sobre “80 Anos da Revolução Constitucionalista de 1932 – Homenagem ao capitão Gino Struffaldi”, promovido na sede da OAB SP, no último dia 22 de maio.

 

O presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D’Urso, afirmou que o capitão Gino Struffaldi, homenageado na cerimônia, deixou um “exemplo de como cultuar a Revolução de 32”, que “lutou para que tivéssemos uma Constituição brasileira”.

 

“Revolução constitucionalista em que São Paulo se levantou contra ditadura Vargas, em busca de constituição brasileira. Embora São Paulo tenha sido derrotado, a luta demonstrou sua garra, tenacidade e orgulho na luta pela legalidade. Essa revolução jamais pode ser esquecida, assim como aqueles que tombaram na luta, especialmente os quatro jovens que deram origem à sigla MMDC”, afirmou D’Urso.

 

 Na solenidade também houve uma homenagem  da OAB SP a  Gino Struffaldi, já falecido, que foi representado pelo engenheiro Aldo Struffaldi, seu filho, que contou um pouco sobre a história da família e do pai. Gino, disse o filho, era de família italiana, que chegou ao Brasil no fim do século XIX e viveu em Santos. A placa foi entregue por D´Urso e Trombetti.

 

De acordo com Aldo, aos 18 anos, seu pai decidiu ter sua própria vida e passou a servir como militar no Forte de Itaipu, em Santos, quando as tropas optaram pelo movimento constitucionalista. Aldo contou também que o capitão Gino foi elogiado por um general em 1935 por sua atuação na repressão à Intentona Comunista.

 

Aldo terminou ressaltando a importância da luta pela manutenção do nome do Túnel 9 de Julho, “um dos símbolos maiores do civismo no país”, data que marca o início da Revolução Constitucionalista de 1932.

 

O presidente interino da Comissão de Resgate da Memória da OAB SP, José de Ávila Cruz, lembrou que a Seccional Paulista da Ordem foi fundada em janeiro de 1932 e, em julho, com o advento da Revolução, também já estava lutando pela Constituição.

 

Fábio Trombetti  também lembrou Gino Struffaldi, contando que em 2004 os dois idealizaram o evento em homenagem à Revolução de 32 na OAB SP, época em que a gestão de D’Urso ainda estava no início. Segundo Trombetti, o objetivo fazer com que o levante não caia no esquecimento. “Com o apoio da OAB SP e do MMDC, Gino jamais será esquecido e estará sempre vivo em nossas memórias”, disse, ressaltando a cumplicidade entre a Ordem e os revolucionários de 32.

 

Participaram ainda da mesa diretora do evento: Marcos da Costa, vice-presidente da OAB SP; Umberto Luiz Borges D’Urso, diretor cultural e conselheiro seccional; Antonio Ruiz Filho, conselheiro seccional e presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas; Lúcia Maria Bludeni, conselheira seccional e presidente da Comissão de Direito do Terceiro Setor; Luiz Carlos Ribeiro da Silva, conselheiro seccional; Ricardo Luiz de Toledo Santos Filho, conselheiro seccional e presidente da Comissão de Estudos do Projeto do Código de Processo Penal; e Rui Augusto Martins, conselheiro seccional.00. O evento contou com a Camerata da Polícia Militar sob regência de Elias José dos Santos e dos Dragões da independência.