MARCOS DA COSTA ELOGIA GESTÃO DE APPROBATO À FRENTE STJD


19/07/2012

O presidente em exercício da OAB SP, Marcos da Costa, classificou de modernizadora, séria e eficiente a gestão de Rubens Approbato Machado à frente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Approbato deixou a presidência do Tribunal no último dia 12 de julho.

"Approbato, sem dúvida, aprimorou a gestão do STJD e tornou o tribunal uma referência nacional, inclusive para o próprio Poder Judiciário. O direito esportivo  no Brasil, mobiliza toda a sociedade, e Approbato fez uma gestão a altura de sua responsabilidade", disse Costa.

O presidente em exercício da OAB SP  ressaltou, ainda, sentir orgulho de saber que o STJD foi tão bem administrado por um advogado e ex-presidente da OAB e OAB SP, e afirmou que o órgão teve papel fundamental para reduzir a violência nos estádios.

Para Marcos da Costa, os advogados recentemente indicados como representantes da OAB para o Pleno do STJD também foram escolhas que honrarão a advocacia. São eles: Gabriel Marciliano Junior, conselheiro seccional da OAB SP, e Miguel Angelo Cançado, diretor-tesoureiro do Conselho Federal da Ordem.

O dirigente da Ordem também enalteceu o papel de Approbato na presidência do Conselho Federal da OAB (2001/2004) e da OAB SP (1998-2000), na qual o advogado promoveu uma grande revitalização corporativa e institucional, com ações como a fundação da Escola Superior de Advocacia e o movimento pela moralidade pública que resultou no pedido de impeachment do prefeito Celso Pitta.

Rubens Approbato Machado assumiu a presidência do STJD em 2006, quando era auditor do órgão havia dois anos e Luiz Zveiter deixou o cargo, e foi reeleito em 2008. Em sua gestão, torcidas de times passaram a ser responsabilizadas por infrações, e não apenas atletas, o que diminui a violência nos estádios. Durante o período, também foi julgado o caso da morte em campo do jogador Serginho, do São Caetano.

Graduado em 1957 pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco (USP) Approbato milita há mais de 50 anos na advocacia, e ocupou também os cargos de secretário de Estado da Justiça (1990-1991) e presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo (1992-1994).