CASA DO ADVOGADO DE PORTO FERREIRA RECEBE NOME DA PRIMEIRA ADVOGADA DA REGIÃO


17/09/2012

A Casa sem muros, onde residiu a advogada Lilian Apparecida Máscia Braga Ramos é famosa em Porto Ferreira. Para sua casa ocorriam as pessoas carentes que procuraram a “Doutora Lila” para solucionar alguma pendência legal, muito antes de existir o Convênio de Assistência Judiciária. Ela graduou-se em 1962 pela PUC de Campinas e foi procuradora jurídica do município de Porto Ferreira.

Foi essa advogada já falecida , mãe do atual presidente de Porto Ferreira, Luis Augusto Braga Ramos,  a homenageada  em cerimônia realizada no dia 14 de setembro na Casa do Advogado,  com a presença do presidente em exercício da OAB SP, Marcos da Costa.
 
“Nominar a Casa do Advogado com o nome dessa mulher pioneira nos faz refletir sobre a presença da advogada no meio jurídico. Elas que tiveram  muitas vezes de enfrentar o assédio, a falta de respeito e até a incompreensão do cliente, que espera  encontrar um advogado, sendo a profissional mulher  tão ou mais competente”, disse Marcos da Costa.
 
O presidente da Subseccão disse  que advogou em causa própria, mas a causa era justa, porque sua mãe merecia a homenagem. Ressaltou que ela tinha duas qualidades: objetividade e simplicidade e influenciou na escolha de sua profissão. “ Cheguei a fazer vestibular para engenharia, mas seria um engenheiro frustrado”, disse. Três dos quatro filhos, o marido  e um neto são advogados.
 
A caçula  da homenageada,  a advogada Roberta Braga Ramos conta uma das muitas histórias ligadas à advocacia gratuita promovida pela sua mãe. A advogada promoveu a separação de uma lavadeira , cujo marido bebia e batia nela e nos filhos. Depois de dois anos, sóbrio, o marido procurou a mulher para tentar uma reconciliação, prometendo pagar a pensão,. Durante esse tempo, a advogada disse  para a cliente que a pensão seria paga no seu escritório e repassou anonimamente a fundamental pensão para aquela família sobreviver.
 
O advogado Luis Ramos Sobrinho, marido da homenageada, lembra que ficava com  os filhos para ela ir estudar  em Campinas e sempre apoiou a decisão da mulher , com quem foi casado por 60 anos. ”Nunca discutimos, na hora do almoço não se falava de trabalho, de processo. Se Colombo descobriu a América no dia 12 de outubro, eu descobri Lila”, disse emocionado.
 
Conjuntamente, houve cerimônia solene de entrega de carteiras  aos novos advogados e lançamento do Projeto de Mãos Dadas pela Justiça.