PRESIDENTE PARTICIPA DE HOMENAGEM AO PROGRAMA SHALOM BRASIL


18/09/2012

O programa de TV “Shalom Brasil”, que comemorou 17 anos em sessão na Câmara Municipal, na última segunda-feira (10/9), ONDE foi comparado a um “ shofar” (instrumento feito de chifre de carneiro) da comunidade judaica. A iniciativa da homenagem foi do vereador Floriano Pesaro.

O presidente em exercício da OAB SP, Marcos da Costa, parabenizou os idealizadores, produtores e diretores do programa Tânia e Marcel Hollender, apontando que o programa espelha a comunidade judaica, que tem contribuído para a formação dos valores maiores do povo brasileiro. Costa lembrou, ainda, a proximidade do ano novo judaico (Rosh Hoshaná) e desejou que todos sejam inscritos no Livro da Vida, uma tradição judaica que fala deste livro celeste que faz o registro dos nomes daqueles que viveram de acordo com os preceitos da verdade e da justiça.

O conselheiro da OAB SP e coordenador da Comissão de Direitos Humanos, Martim de Almeida Sampaio, lembrou que sucedeu Marcel Hollender na presidência da TV Aberta, com quem afirmou ter aprendido muito e apontou que o programa é um dos mais destacados da grade de programação da TV Aberta, prognosticando que o Shalom Brasil terá muitos anos à frente de exibição.

O presidente da Hebraica, Abramo Douek afirmou que a comemoração de 17 anos do programa leva a uma somatória que chega ao número oito, muito importante na religião judaica, porque representa o infinito, a eternidade. E que hoje, o programa já é conduzido por Ariel Hollender, filho de Tania e Marcel, uma nova geração e entende que o programa ficar pela eternidade.

Para o deputado federal Valter Feldman, o programa é a expressão livre da comunidade judaica, constituindo um órgão de comunicação que orgulha os judeus e a imprensa brasileira. Já Cláudio Lottemerg, presidente do Hospital Albert Eistein, disse reconhecer no programa o esforço, a dedicação e o compromisso de expressar a vida da comunidade judaica. 

Ricardo Berkiensztat, representando o presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo, disse que o programa é uma arma poderosa contra o antissemitismo e  é reconhecidamente o porta-voz da comunidade judaica no Estado e em todo o Brasil.

Marcel Hollender agradeceu a presença de todos e disse  que a ideia do programa surgiu a partir da realização da  Marcha da Vida em São Paulo, organizada pela comunidade judaica e que foi ignorada pela imprensa. Disse, ainda, que o programa só se manteve ao longo de 17 anos porque contou com o apoio da comunidade judaica e que a homenagem tem sabor de vitória.

Também estavam presentes à sessão na Câmara dos vereadores vários rabinos, o presidente da CAASP, Fábio Romeu Canton Filho; o conselheiro e corregedor do Tribunal de Ética e Disciplina, Jairo Haber, Arles Gonçalves Júnior, presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB SP, Luís Roberto Mastromauro, vice-presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas, entre outras autoridades.