PRESIDENTE DA OAB SP PARTICIPA DE POSSE DAS NOVAS DIRIGENTES DO TRT - 2ª REGIÃO


21/09/2012

O presidente em exercício da OAB SP, Marcos da Costa, participou da cerimônia de posse das novas dirigentes do TRT - 2ª Região, na última segunda-feira (17/9), às 18 horas, no Salão Nobre do Tribunal, ao lado do presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), José Oreste Dalazen, do vice-presidente do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), desembargador José Gaspar Gonzaga Franceschini, e da chefe do Ministério Público do Trabalho da 2ª Região, Ana Elisa Alves Brito Segatti.

 

“Pela primeira vez teremos uma cúpula do TRT 2 formada apenas por mulheres e é com satisfação que estamos participando desse momento histórico. Atualmente nós temos a participação da mulher em 40% dos assentos da Justiça do Brasil e mulheres ocupando cargos importantes nas principais cortes do nosso país. Tivemos a ministra Eliana Calmon como corregedora do CNJ, a ministra Ellen Gracie como presidente do STF, entre tantas outras conquistas. Com certeza, essa ascensão feminina aos cargos de direção da Justiça garantem dias melhores aos tribunais e cortes”, afirmou Marcos da Costa.

 A saudação às novas dirigentes do TRT-2 foi feita pela desembargadora, Ana Maria Contrucci Brito e Silva, que ressaltou a presença feminina na administração eleita: “A Justiça do Trabalho da 2ª Região viverá doravante um período em que terá seus principais cargos administrativos ocupados por quatro eminentes desembargadoras, eleitas pelos pares com a missão de reger os destinos da casa”.

 Para ela, é preciso conhecer o trabalho das mulheres eleitas para compreender a importância desse momento. “Peço que voltemos nossos olhos para esse cenário singular que atesta o valor dos esforços individuais dessas magistradas, cujas carreiras impecáveis abriram as portas dos altos cargos na corte da 2ª instância mais movimentada da Justiça especializada na questão do trabalho em nosso país. E também cujo exemplo, atesta o sucesso possível na longa e sempre dura marcha das mulheres brasileiras em busca do espaço profissional, social e institucional que lhes cabem”, concluiu.

 Muito emocionada ao tomar posse como presidenta do TRT-2 e prestar juramento, a desembargadora Maria Doralice Novaes disse que o importante é “praticar uma boa administração, um bom governo. Procurarei construir meu trabalho nessa corte agindo com prudência, temperança, buscando harmonia e a concórdia, para o fim e ao cabo colhermos juntos os frutos do bom governo.”.

 A presidenta falou ainda sobre as mudanças na comunicação e como as novas tecnologias também podem interferir na Justiça do Trabalho. “A Justiça do Trabalho, que comemorou seus 70 anos de existência, hoje, parece mais poderosa do que nunca. Estamos rodeados de sistemas altamente complexos que, cada vez mais, tomam conta de quase todos os aspectos de nossa vida. Sistemas globais, processos digitais, trocas de informações instantâneas.  E nessas novas molduras, a comunicação dos novos tempos, por vezes, pratica grandes injustiças. Refiro-me aquelas pessoas politicamente midiáticas que tentam denegrir a Justiça atacando-a”, afirmou.

 Em sua visão, “o Estado Democrático de Direito exige um juiz partícipe, um magistrado que figure como membro efetivo da sociedade, um juiz comprometido com políticas públicas, não aquelas estabelecidas por governantes, mas aquelas que derivam dos princípios constitucionais que o magistrado jurou cumprir. Pretendo conduzir o TRT juntamente com a coletividade, com uma atitude firme e positiva em busca das prerrogativas da magistratura; sem medo, com sensibilidade, muito diálogo e compromisso com as políticas públicas.”.

 

Maria Doralice nasceu em São Paulo e formou-se em Direito pelas Faculdades Metropolitanas Unidas. É pós-graduada em Direito Processual Civil pela PUC. Ingressou na magistratura em 1981, por concurso de provas de títulos, no cargo de juiz substituto do TRT 2.

 

Além de Maria Doralice, também tomaram posse Silvia Devonaldo, na vice-presidência administrativa; Rilma Aparecida Hemetério, vice-presidente judicial e Anelia Li Chum, corregedora da Justiça Trabalhista.