PRESIDENTE DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS FAZ PALESTRA NA ACADEPOL


14/06/2013

Dando continuidade ao projeto de difundir as prerrogativas profissionais dos advogados a todas as áreas jurídicas, o Presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB/SP, Ricardo Toledo Santos Filho, ministrou palestra na Acadepol para os novos 131 Delegados de Polícia, recentemente ingressos na carreira.

 

Organizada pelo conselheiro e presidente da Comissão de Segurança Pública, Arles Gonçalves Júnior, os representantes da OAB foram recepcionados pelo Diretor da Acadepol, Dr. Ciro de Araujo Martins Bonilha, e pelos Delegados Divisionários da Polícia Civil do Estado de Estado para Cursos de Formação, Dr. Dejair Rodrigues e Dr. Edison Giatti Lahoz.

 

Aos novos delegados de Polícia em formação, Ricardo Toledo destacou a importância de sempre divulgar os direitos dos advogados para o fim de se evitar conflitos desnecessários. "Ainda hoje, nas faculdades não há, em regra, disciplina especifíca que vise a ensinar, em profundidade, a matéria 'prerrogativas profissionais'. E, ao se formarem, muitos bacharéis passam a se dedicar com exclusividade a concursos públicos, estudando apenas as matérias constantes dos respectivos editais, que também não incluem a Lei 8.906/94. Assim, quando são aprovados em concurso, em outras áreas jurídicas, simplesmente não tiveram formação acadêmica que permitisse o estudo amplo de todo o rol das franquias dos advogados. E o desconhecimento gera embates, muitos dos quais poderiam ser perfeitamente evitáveis".

 

Por isso reputou como "fundamental" a continuidade desse intercâmbio, ressaltando que foi a segunda vez que falou aos Delegados em formação. Da outra oportunidade, estiveram presentes os 160 aprovados no último concurso. Ao todo, foram quase 300 novos Delegados de Polícia que já tiveram contato mais próximo com os direitos dos advogados.

 

Ao encerrar sua palestra, Ricardo Toledo perguntou quantos haviam exercido a advocacia antes do ingresso na carreira. Grande parte dos aprovados se levantou. Também  perguntou quantos tiveram problemas em Delegacias. O número permaneceu alto. Dessa forma, encerrou dizendo que cabia aos novos Delegados mudar esse quadro de desrespeito à advocacia.