Turma de 64 da USP homenageia Goffredo da Silva Telles Jr e lembra golpe


09/12/2014

Turma de 64 para USP homenageia Goffredo da Silva Telles Jr e lembra golpe
Marcos da Costa lembrou que a Turma de 64 era a primeira a ser homenageada no novo prédio. Foto: OAB SP

No próximo ano, comemora-se 100 anos de nascimento do professor Goffredo da Silva Telles Júnior e a Turma de 64 da Faculdade de Direito da USP, homenageada em seu Jubileu de ouro pela OAB SP, na última quinta-feira (28/11), lembrou-se do mestre mais festejado das Arcadas. “Sofri o impacto das aulas de Goffredo. Eram aulas perfeitas, o silêncio era total, parecia missa leiga. Era interessante, porque havia muitos catedráticos eminentes na Faculdade e nos lembramos mais do Goffredo, não seria necessariamente por ter mais saber; mas mais amor, esse é o diferencial”, essa foi a síntese feita pelo orador da Turma, Synésio Sampaio Filho, que citou as jornadas cívicas do professor, como as “Cartas aos Brasileiros” (1977), sua paixão por Kant e seu livro “Folha Dobrada”, que classificou como “biografia vibrante”. Também lembrou que o professor Goffredo foi vítima de uma injustiça em sua vida acadêmica: nunca foi Diretor da Faculdade de Direito.

O Ex- Presidente do Superior Tribunal de Justiça Militar, Flávio Flores da Cunha Bierrenbach, integrante da Turma de 64, lembrou a convivência dos formandos ao longo dos últimos 55 anos: “A vida toda mantivemos contato. Em 64, o Brasil sofreu terríveis acontecimentos, a nossa turma se dividiu: alguns fora para um lado e outros foram para outro, mas o tempo cicatrizou todas as feridas e hoje exibe altíssima taxa de fraternidade”. Ao outorgar uma Placa de homenagem da Associação dos Antigos Alunos  à OAB SP, Bierrenbach comentou: “Aprendemos no distante ano de 1960 três princípios fundamentais do Direito: dar a cada um o que é seu, viver honestamente e não lesar a outrem. Os dois últimos  nunca antes na história foram tão vilipendiados. Urge resgatar esses princípios. É imperativo que a OAB continue a lutar por eles, em nome de todos nós, incorporando na sua extensa folha de serviços prestada à nossa nação”.

Os advogados e formandos de 64, Pedro Bernardino de Miranda e Hafez Mograbi, lembram que em março de 1964 as Arcadas foram invadidas pela Polícia. Tudo começou com a chegada do então ministro Pinheiro Neto, que faria uma palestra sobre reforma agrária, mas foi impedido pelo Comando de Caça aos Comunistas. O carro estacionou na frente da faculdade, porém o ministro nem chegou a descer. Estávamos tendo aula com o professor Moacir Alves da Costa, quando escutamos o hall sendo metralhado. Conseguimos sair pelo vitrô e por uma porta secreta que dava no altar da igreja ao lado da faculdade”, lembram os dois. Bertrand Maria José Pio de Orleans e Bragança, também formando de 64 e autoproclamado Príncipe imperial do Brasil,  falou do golpe militar na vida dos estudantes: “Foi um período difícil para nossa pátria, havia muita discussão ideológica, mas com alto nível cultural e muito respeito entre professores e alunos”.

O Presidente da OAB SP Marcos da Costa cumprimentou os formandos de 64: “Pela primeira vez fazemos essa homenagem no novo prédio da Ordem para uma turma tão importante, pela história que seus formandos trazem, por terem vivido em 1964, um momento de ruptura política do país, que demorou em ser restabelecida. Hoje, nós comemoramos 26 anos de democracia, tomando como referência a Carta de 88 e lembramos o papel que a Ordem e a Advocacia tiveram na defesa dos valores democráticos e republicanos, sendo que estes últimos ainda não têm o alcance que desejamos”, disse Costa. Para o Presidente, a Turma de 64  serve de referência a todos: “Esperamos que possamos estar juntos a  fazer com que as novas gerações tenham nos senhores o farol a nortear o caminho do sucesso e da ética profissionais”.

A Conselheira, Diretora da Mulher Advogada, coordenadora do evento, Tallulah Kobayashi de Andrade Carvalho, deu as boas vindas aos advogados no novo prédio  da Ordem e disse que “a OAB SP se sentia engrandecida de recebê-los e agradecia pelo que fizeram pela Advocacia nos últimos 50 anos”.
Antonio Carlos Madia de Souza, Presidente da Associação dos Antigos Alunos da USP e coordenador da Turma de 64, disse que a comemoração dos 50 anos dos formandos é a celebração de uma data importante e de entrelaçamento com a OAB. “É um estímulo para que nos mantenhamos unidos. É o revigoramento de nossa união”.

A Vice-Presidente da OAB SP e Ex-Diretora da Faculdade de Direito da USP, Ivette Senise Ferreira, também saudou os formandos de 64 e se referiu aos objetivos comuns entre OAB e Faculdade de Direito da USP: “Garantir o Estado de Direito, a ordem jurídica, a cidadania, os direitos fundamentais enumerados na Constituição Federal. Na Faculdade de Direito ensinamos quais são os direitos e como podem ser protegidos e a OAB faz na prática e se empenha na luta por esses direitos republicanos”.