Um Centro Paraolímpico que serve de referência para a cidadania


22/02/2016

Um Centro Paraolímpico que serve de referência para a cidadania  2
O presidente da OAB SP, Marcos da Costa, em visita guiada pelo Centro Paraolímpico, ao lado da secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Battistela

Não basta criar áreas que abriguem, com conforto e dentro de parâmetros que são referência mundial, os atletas com deficiência, como é o caso do futuro Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro, uma área de 94 mil metros quadrados na zona sul de São Paulo dedicada ao paradesportismo. Além de seu objetivo fim, um espaço como esse, onde a acessibilidade é natural, ajuda a construir uma mentalidade que veja as pessoas com deficiências como integrantes ativos da sociedade, na opinião de Marcos da Costa, presidente da OAB SP: “Cumprimento a secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Battistela e, através dela, a todos os envolvidos na Secretaria e a todos aqueles que contribuíram para a colocação de cada tijolo desse grande edifício que, espero, não só do esporte, mas também da cidadania”.

Autoridades esportivas, representantes de atletas e convidados como o presidente da Secional Paulista da Ordem fizeram, na manhã de sexta-feira (19/09), uma visita técnica ao Centro Paraolímpico, na companhia da secretária Linamara e de sua equipe. Ainda sem data para inauguração, o local amplo e moderno foi projetado para oferecer toda a infraestrutura para esportes paraolímpicos pondo à disposição dos praticantes 15 modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, natação, esgrima, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, judô, rúgbi, tênis, tênis de mesa, voleibol sentado e triatlon.

“Aqui temos a soma de algumas das principais vertentes positivas da sociedade”, disse Marcos da Costa em seu breve discurso. “A vertente da capacidade do ser humano de construir uma obra como essa, com uma tecnologia de ponta e uma engenharia inclusiva das mais destacadas hoje; da capacidade do ser humano em, através da prática do esporte, congregar e se superar; e a vertente da cidadania ao trazer para a pauta tema tão relevante que é o tema da inclusão social da pessoa com deficiência. Nós temos, no Brasil, mais de 40 milhões de pessoas que se declararam, de alguma forma, com algum tipo de deficiência. Uma parcela significativa desta gigantesca sociedade, infelizmente, ainda não tem acessibilidade necessária para que possa viver e aproveitar de situações cotidianas vividas pelas demais pessoas”.


25 de setembro
Envolvido na questão de ajudar a ampliar os horizontes da sociedade na questão da acessibilidade, a OAB SP deu início no começo do ano a uma iniciativa que, juntamente com entes públicos e privados, vai promover no dia 25 de setembro uma grande mobilização na cidade de São Paulo. O objetivo é marcar a comemoração da entrada em vigor este ano do Estatuto da Pessoa com Deficiência, assim como festejar a realização das Paraolimpíadas no Brasil. Um evento que pretende reunir a sociedade em torno desse movimento de conscientização de que todos os cidadãos devem ser incluídos em todos os espaços públicos. E, para isso, é fundamental a acessibilidade.