Desafios da advocacia no cenário atual dão tom à posse da nova diretoria de Mogi Guaçu


05/05/2016

Desafios da advocacia no cenário atual dão tom à posse da nova diretoria de Mogi Guaçu
Marcos da Costa, presidente da OAB SP, cumprimenta Sulivan Rebouças Andrade, presidente da Subseção de Mogi Guaçu na cerimônia de posse

Com o auditório de casa lotado, a nova diretoria da Subseção de Mogi Guaçu foi empossada em sessão solene para o mandato 2016/2018 na noite desta terça-feira (03/05). A cerimônia contou com as presenças do presidente da Secional da Ordem paulista, Marcos da Costa, e de autoridades dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário locais. Os discursos abordaram temas amplos e alinhavaram desde conquistas obtidas pela advocacia local no último triênio à importância do papel da instituição em questões fundamentais não apenas para a classe, mas para a cidadania, sobretudo no atual cenário do país.

“Temos visto no Brasil a falta de compreensão sobre o que é res publica, o que é espaço público, de interesse público. É preciso que seja compreendido que a política é uma missão de vida e não pode pautar interesses privados”, avaliou Marcos da Costa. “Mas, paralelamente a isso, gosto de lembrar que há bons políticos no Brasil. E, como cidadãos e advogados, defensores do Estado Democrático de Direito, precisamos ajudar a encontrar o caminho para valorizá-los”. Na ocasião, o atual presidente de Mogi Guaçu, Sulivan Rebouças Andrade, sinalizou que também vê de modo abrangente o posicionamento da instituição no cenário. “Ao mesmo tempo que é uma honra assumir a Subseção, é um desafio. Desafio porque o papel da Ordem ultrapassa os limites da instituição e assume um compromisso com a defesa da sociedade em um país democrático”, disse o novo dirigente.

Ao cumprimentar os colegas que assumem a diretoria ao seu lado, Andrade também agradeceu Antonio Mello Martini, que ocupou a presidência na gestão passada e é vice-presidente no atual triênio. “Ele (Martini) me preparou nesses últimos anos e assume como nosso vice-presidente, o que mostra sua humildade e dedicação à Ordem”, completou Andrade. Martini, por sua vez, afirmou ter encerrado o mandato satisfeito com os esforços das comissões e o apoio dos colegas aos trabalhos por elas realizados. “Tivemos apoio da advocacia guaçuana em muitos movimentos, como os elaborados pelas comissões de Direitos Humanos, Prerrogativas e Diversidade Sexual”, citou.

Desafios estaduais
Durante seu discurso, Marcos da Costa informou a advocacia local sobre o empenho da Ordem para resolver impasses em temas importantes, como o que foi visto no convênio de Assistência Judiciária, mantido há três décadas com a Defensoria Pública. No final do ano passado, os cerca de 40 mil advogados que trabalham no âmbito do convênio no estado de São Paulo deixaram de receber honorários correspondentes ao atendimento a 1,4 milhão de pessoas carentes.

Outro tema que ganhou destaque na cerimônia desta terça foi o novo CPC. Marcos da Costa lembrou que a Ordem tem promovido cursos e palestras sobre o tema há mais de um ano. No último sábado, o encontro realizado no Teatro Gazeta, na capital paulista, contou com a presença de 900 advogados e foi transmitido online.

Assumiram cargos em Mogi Guaçu: Paulo Andrade de Souza, como secretário-geral; Camila Frasseto, secretária-adjunta; Luiz Carlos Thim, tesoureiro; as diretoras adjuntas, Luciane Pasqua, Mariana Bassi e Leandra de Brito; além de presidentes de 16 comissões e dois representantes na vara do trabalho e juizado cível. Além de advogados já citados, também compuseram a mesa autoridades locais, como o prefeito, Walter Caveanha, e o juiz titular da vara do trabalho, Decio Rodovalho.