VII Congresso Nacional de Sociedades de Advogados


16/08/2016

 

sociedades2.jpg
Marcos da Costa, presidente da OAB SP, cumprimenta Técio Lins e Silva

Durante a solenidade de abertura do VII Congresso Nacional de Sociedades de Advogados, o presidente da OAB SP, Marcos da Costa, defendeu a independência da advocacia e a integridade do direito de defesa. “O Estado tem jogado nos ombros do cidadão as consequências das suas próprias deficiências, atacando a advocacia e comprometendo o direito de defesa”, discursou voltando a criticar decisão do Supremo Tribunal Federal que tem permitido prisão após condenação em segunda instância. 

Organizado pelo Sindicato das Sociedades de Advogados dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro (Sinsa), o VII Congresso Nacional de Sociedades de Advogados foi realizado na capital paulista, de 10 a 12 de agosto. O evento de abertura teve a presença do presidente do Conselho Federal da Ordem (CF OAB), Cláudio Lamachia. “Nós vivemos um momento de profundo desrespeito com a cidadania brasileira. O Brasil passa por uma crise ética e moral sem precedentes e a advocacia brasileira está sendo chamada à participar de diversos debates e a OAB tem se posicionado”, disse Lamachia. 

Na mesma linha, o presidente do Sinsa, Luís Otávio Camargo Pinto, colocou a preocupação com a liberdade e o respeito às prerrogativas profissionais para o exercício da advocacia no Brasil. “A advocacia passa por um momento difícil. Precisamos construir um diálogo capaz de produzir soluções, procurando conversar e defender posições sem provocar grande ruído quando nos sentirmos ameaçados”, disse o dirigente do Sindicato. 

Outro a discursar em defesa da advocacia foi o presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Técio Lins e Silva. Para ele, a classe está sofrendo ataques no Brasil e em outros países. Ele citou o caso do assassinato de Bilal Anwar Kasi, bastonário da Ordem dos Advogados de uma província no Sudoeste no Pasquistão, na segunda-feira (08/08). Pouco depois de o corpo do advogado chegar ao hospital local, houve um ataque suicida, cuja explosão provocou a morte de pelo menos 70 pessoas, entre advogados, jornalistas, funcionários e pacientes. Kasi tinha denunciado uma campanha de assassinatos na cidade de Quetta, com elevado número de advogados entre as vítimas, e dois grupos terroristas reivindicaram a autoria de seu assassinato e posterior atentado suicida. “Precisamos manifestar solidariedade aos colegas paquistaneses e colocar o nosso repúdio contra esse ato de barbárie”, disse Lins e Silva. 

A solenidade de abertura do VII Congresso Nacional de Sociedades de Advogados contou também com as presenças de José Horácio Halfeld, presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP); Livio Enescu, presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo (AATSP); Carlos José Santos da Silva, presidente do Centro de Estudos das Sociedades dos Advogados e conselheiro federal (CESA); e Wilson Fernandes, vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho – 2ª Região.