Levy Fidélix assina manifesto da OAB SP e apresenta propostas para transportes e saúde


13/09/2016

Levy Fidélix assina manifesto da OAB SP e apresenta propostas para transportes e saúde

O primeiro candidato a apresentar idéias de governo para a prefeitura de São Paulo, em evento promovido pela OAB SP, nesta terça-feira (13/09), foi Levy Fidélix, do PRTB. Ele concentrou sua apresentação em mobilidade, saúde e fez críticas às alterações recentes sobre as regras de campanhas eleitorais. No que diz respeito à melhoria de transportes, voltou a defender o Aerotrem como um projeto “barato e rápido de construir”, citou a intenção de reduzir os valores das passagens dos atuais R$ 3,80 para R$ 2,50 e a “racionalização” do transporte, a partir do replanejamento de rotas de ônibus e com a inclusão do serviço de vans gratuitas acopladas ao sistema. Ao fim de sua fala assinou o manifesto 'Eleições Limpas', elaborado pela Secional paulista. O documento elenca dez compromissos, entre eles que os candidatos garantam trabalho transparente nas campanhas e se oponham à criação de cargos comissionados.

O candidato também disse que, se eleito, reforçará a saúde por meio de investimentos em um projeto que leva o nome de Plano de Assistência à Saúde do Paulistano (PASP). “Temos o SUS hoje, mas não é suficiente”, disse. Segundo Fidelix, uma das vertentes do programa é organizar as informações dos usuários com o objetivo de melhor direcionar a pessoa que necessita de atendimento médico. “O programa proporcionará que as pessoas tenham um cartão com chip contendo suas informações a respeito de doenças preexistentes”, citou.

Parte da verba para investimentos em mudanças citadas pode vir da mudança de perfil do endividamento da cidade de São Paulo – hoje perto dos R$ 54 bilhões. “Fora a amortização, gasta-se hoje cerca de R$ 6 bilhões com juros da dívida. Se mudarmos o perfil da dívida, buscando empréstimos externos a juros menores, podemos economizar essa quantia”, comentou. O candidato também fez críticas ao tempo reduzido de televisão e rádio. Disse que seria importante rediscutir a legislação que estabelece as regras de campanha e pediu contribuição da OAB SP nessa discussão.