Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2017 / 06 / Acolhida pelo Conselho Federal proposta da OAB SP de ADI pela presença da advocacia no CEJUSC

Notícias

Acolhida pelo Conselho Federal proposta da OAB SP de ADI pela presença da advocacia no CEJUSC


27/06/2017

Acolhida pelo Conselho Federal proposta da OAB SP de ADI pela presença da advocacia no CEJUSC
Marcos da Costa, presidente da OAB SP

Foi aprovada nesta terça-feira (27/06), pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, a solicitação da Secional paulista de propositura de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), no Supremo Tribunal Federal, contra a dispensa da advocacia nos Centros Judiciários de Solução de Conflitos (CEJUSC). A ação será proposta caso o CNJ não acolha pedido do  Conselho Federal de tornar obrigatória a presença do advogado.

A Ordem paulista tem atuado em diversas frentes na luta pela presença obrigatória da advocacia nas conciliações. Mais uma frente de trabalho é o apoio ao Projeto de Lei 5511/16, em trâmite na Câmara dos Deputados, que trata da mesma temática.

“Tentar resolver um litígio sem o advogado ou a advogada pode levar o cidadão a fazer acordos que prejudiquem seus próprios direitos”, enfatiza Marcos da Costa, presidente da OAB SP. O dirigente lembra que a Ordem também deu início a uma campanha de conscientização da sociedade civil em outubro do ano passado. “Esperamos levar conhecimento à sociedade sobre os riscos dos anúncios feitos, que convocam o cidadão a semanas de conciliações gratuitas como se fossem grandes feirões de fábrica, apresentando a dispensa do advogado como se fosse positivo para o cidadão. Sem advocacia não há Justiça”, reforça.

Há cerca de dez dias, representantes da diretoria da OAB SP estiveram em reunião no Tribunal de Justiça de São Paulo para abordar o assunto. Além de representantes do tribunal, também participaram integrantes do Tribunal Regional Federal da 3ª Região e do CNJ. Na ocasião, o vice-presidente da Secional, Fábio Romeu Canton Filho, alertou para o fato de que o Judiciário não vinha recomendando às partes que se fizessem acompanhar de advogados nos CEJUSCs. “Ao contrário, o que temos visto são panfletos e intimações judiciais, principalmente nas comarcas do interior de São Paulo, que incentivam as audiências sem a presença da advocacia”, disse. Já Gisele Fleury Germano de Lemos, secretária-geral adjunta da OAB SP, apresentou dados de uma pesquisa respondida por 69 Subseções do estado. Nela, 66 reclamam que os acordos são feitos sem a presença de advogados ou advogadas.

A votação teve a participação da bancada dos conselheiros federais de São Paulo: Luiz Flavio Borges D'Urso, Guilherme Battochio e Carlos José Santos da Silva (Cajé).