Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2017 / 08 / Memorial da Luta pela Justiça abriga exposição “Vozes da Defesa”

Notícias

Memorial da Luta pela Justiça abriga exposição “Vozes da Defesa”


21/08/2017

A cidade de São Paulo recebe em 26/08, a partir das 10h00, exposição que conta a trajetória da luta dos advogados na defesa dos presos políticos durante o Regime Militar. A mostra “Vozes da Defesa” será no prédio da antiga Auditoria Militar, na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 1249, onde os processos de julgamento eram conduzidos, e que hoje acolhe o Memorial da Luta pela Justiça – Advogados Brasileiros contra a Ditadura. O evento reúne três instituições: a Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo (OABSP), a ONG Núcleo de Preservação da Memória Política (NM) e o Superior Tribunal Militar (STM).

Três salas foram definidas para ambientar a mostra: de Julgamento, do Juiz e do Cartório. Tudo para trazer o contexto histórico do período ditatorial, destacando o trabalho dos advogados que, de forma destemida e corajosa, enfrentaram ameaças, prisões e torturas para reclamar pelo direito de defesa diante da supressão imposta ao habeas corpus.

Haverá inéditos áudios sobre alguns dos processos que foram julgados ali na Sala de Julgamentos. Serão dez gravações dos advogados: Luiz Eduardo Greenhalgh (Apelação nº 41.060/75); Heráclito Fontoura Sobral Pinto (Apelação nº 41.229/79); Idibal de Almeida Pivetta (Apelação nº 41.252/77); Eny Raimundo Moreira (Apelação nº 41.728/77); Mário de Passos Simas (Apelação nº 41.808/79); Técio Lins e Silva (Apelação nº 41.644/77); José Carlos Dias (Apelação nº 41.700/77); Arnaldo Malheiros Filho (Recurso Criminal nº 5.046/76); Maria Regina Pasquale (Recurso Criminal nº 5.190/76) e Heleno Cláudio Fragoso (Ação Originária nº 42/76).

Na Sala do Juiz terá à disposição dos visitantes educador que discorre sobre o contexto histórico do período para explicar detalhes da época ditatorial e da condução dos processos judiciais. Em outra área, na Sala do Cartório, testemunhos de advogados gravados em vídeo reavivam a memória da luta da advocacia pela recuperação de direitos fundamentais e estimulam a reflexão de quem visita o espaço.

Sobre o Memorial
O número 1.249 da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na capital paulista, é um dos símbolos da luta pela democracia brasileira. Era nesse endereço que, nos anos de chumbo, como ficou conhecido o período da ditadura militar (1964 – 1985), presos políticos eram julgados no âmbito da 2ª Circunscrição Judiciária Militar. Ali, perseguidos políticos e seus advogados fizeram cumprir o exercício do direito de defesa em um Estado de exceção, que desrespeitou leis e direitos daqueles que lutavam pela volta de um sistema democrático. 

O memorial é fruto de parceria da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo (OAB SP) com o Núcleo de Preservação da Memória Política e tem o propósito de promover debates, conferências e exposições.

Vozes da Justiça