Pedal Anchieta 2018, com apoio da Ordem, reuniu cerca de 40 mil ciclistas na Serra de Santos

Tweet


03/12/2018

Pedal Anchieta 2018, com apoio da Ordem, reuniu cerca de 40 mil ciclistas na Serra de Santos

Na manhã de domingo (02/12), ação Pedal Anchieta, iniciada há quase um ano mobilizou cerca de 40 mil ciclistas, que partiram da capital para descer rumo à Baixada Santista pela Rodovia Anchieta. A realização tonou-se possível graças ao trabalho conjunto da Secional da Ordem, por meio de sua Comissão de Estudos da Mobilidade Ciclística, do governo do Estado, da Ecovias, bem como de secretarias e de outros organismos estaduais, além da Prefeitura de Santos, cidade que recepcionou os participantes. Na chegada, o governador Márcio França assinou decreto encaminhado pelos envolvidos nas negociações para regulamentar a Lei 20.095/1998, que estava engavetada há vinte anos, e que cria o Plano Cicloviário do Estado. 

O presidente da Secional paulista da Ordem, Marcos da Costa, que encampou a ideia e concebeu a comissão que lidera o assunto na entidade e é presidida pelo advogado e cliclista Aparecido Inácio Ferrari de Medeiros, lembrou que a legislação foi revista e modernizada pelos advogados. “Após esse longo período, em que a lei ficou engavetada, era preciso fazer mudanças para trazê-la mais perto da atual realidade. Dessa forma, esse grupo de trabalho tratou de todos os detalhes durante a formulação do decreto”, acentuou. 

Para o presidente da Comissão da Mobilidade Ciclística da OAB SP, além de atender ao pleito dos ciclistas, a nova rota irá impactar positivamente no comércio, fomentando o cicloturismo. “Há interligações de rotas com interesses históricos”, disse. O presidente do grupo de trabalho da Ordem paulista comemorou a concretização do evento: “Muito me honra o fato de o presidente Marcos da Costa ter me nomeado para compor o Ciclo Comitê Paulista, representando a Ordem, com essa oportunidade de trabalhar na organização”. Ele rechaçou as dificuldades encontradas pelos ciclistas que, em 2017, tentaram descer a Anchieta e foram barrados pela polícia por conta de liminar obtida pela Ecovias. “Vamos apagar da memória o lamentável episódio que ocorreu no ano passado”, frisou, para continuar: “O fruto disso, do que temos agora, foi um processo de diálogo, de entendimento. Em 30 de maio deste ano, Márcio França abriu às portas do Palácio dos Bandeirantes. Levamos mais de 500 ciclistas e o presidente da OAB SP, Marcos da Costa também estava lá.” 

O governador que nasceu e começou sua trajetória política na baixa Santista, comemorou o fato de o trajeto ter sido feito com segurança: “Com a legislação, a intervenção da Ecovias e as alterações no roteiro, o passeio foi feito da forma que esperávamos”. Com relação às conversas iniciadas pelos representantes da advocacia para dar andamento ao projeto, o político pontuou que a questão foi tratada com amplo cuidado. “A Baixada Santista passa a ter uma atração importante e pode se tornar cotidiana, se as pessoas aprenderem a fazer de maneira organizada como fizemos hoje”, finalizou. Paulo Alexandre Barbosa, prefeito de Santos, ressaltou que a cidade tem tradição forte no esporte e possui um dos maiores volumes de ciclovias do Brasil, com 50 quilômetros. 

Vinte anos no papel
A Lei do Plano Cicloviário do Estado estava arquivada desde 27 de novembro de 1998. Para tirá-la da gaveta, o Ciclo Comitê Paulista apresentou proposta sugestiva de Decreto ao Palácio dos Bandeirantes. Desde então, foram realizadas mais de 40 reuniões e doze visitas monitoradas na Serra de Santos para verificar todos os pontos de possíveis dificuldades. Além dos já citados, o Comitê de organização tem ainda representantes das secretarias de Logística e Transportes, de Turismo e dos Transportes Metropolitanos, assim como de órgãos estaduais ligados ao assunto, como a Fundação Florestal, a Cetesb e a Artesp. Envolve também o DER, a Polícia Militar Rodoviária, membros do Legislativo e gestores dos municípios.

Veja mais fotos na Galeria de Fotos