Advogados X Solicitadores

Fonte: "Notícia Histórica da Ordem dos Advogados do Brasil 1930-1980" Alberto Venancio Filho

A virada do século traria grandes transformações nos meios políticos brasileiros. O caos institucional no final do Governo Imperial adiaria mais uma vez o sonho da criação da Ordem dos Advogados do Brasil. E mesmo após a Proclamação da República, disciplinar os procedimentos jurídicos, fortalecendo o poder judiciário e tornando-o autônomo, significava mexer com paradigmas imperiais absolutistas que insistiam em ignorar os novos preceitos de cidadania. O exercício da advocacia como profissão disciplinada por uma entidade de classe independente ainda provocava algumas facções mais conservadoras. Assim, durante a República Velha duas outras tentativas para a criação da OAB foram feitas. A primeira em 1904, teve como autor Franklin Doria, Barão de Loreto. Tratava-se de um esboço de Projeto de Lei sobre o exercício das profissões de advogado e solicitador perante a Justiça do Distrito Federal e a Justiça Federal da República. Apresentado ao Instituto dos advogados, o texto disciplinava e definia as tarefas de cada um. Além disso, abordava a polêmica questão do registro profissional diferenciado. Ainda segundo o Projeto, as duas profissões poderiam ser exercidas cumulativamente.