Você está aqui: Página Inicial / Sobre a OAB SP / Palavra do Presidente / 2015 / Um ato cívico contra a corrupção

Sobre a OAB SP

Um ato cívico contra a corrupção

Neste sábado, 9 de dezembro, Dia Internacional contra a Corrupção, a seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil convoca a sociedade para um grande ato apartidário e inter-religioso, reunindo mais de 50 entidades, na Catedral da Sé.

Será a oportunidade para fecharmos o tormentoso ano de 2017 desfraldando a bandeira da ética e contra o cancro da corrupção sistêmica que contamina as veias políticas da nação.

Estaremos reunidos em oração cívica para conclamar cidadãos e cidadãs a entronizar a ética nas relações pessoais e profissionais, resgatando os princípios da vida moral e demonstrando compromisso com os valores da equidade, da justiça, da seriedade, da honestidade e do bem-estar coletivo.

O Brasil, como é sabido, atravessa um dos mais graves ciclos de sua história, atormentado por um processo de corrupção que consome suas riquezas e põe em risco a própria estrutura do edifício democrático, construído com muito esforço após a longa vivência dos anos de chumbo.

Sob enorme desencontro dos valores pátrios e ainda convalescendo da falta de democracia, velhos e maus costumes políticos voltaram com força redobrada, nos últimos anos, em um cenário esculpido de mazelas, alargadas em função do vazio institucional herdado da ditadura.

Assistimos, hoje, a um amplo processo de investigações e operações, que exibem vícios e ilícitos obscenos. Escândalos e denúncias se avolumam, envolvendo protagonistas da esfera política, da administração pública e do circulo de negócios.

Teias criminosas agem nas malhas intestinas do Estado, sugando riquezas e expandindo o rombo das contas públicas. A degradação da política, com a corrosão dos valores que a inspiram, chega a um ponto jamais imaginado.

Os contrastes sociais se acentuaram na esteira do desemprego que consome as energias de 13 milhões de brasileiros. A esperança de um futuro melhor desvanece sob gigantesca sombra de descrença na representação política e nos governos.

Para agravar a moldura institucional, não tem havido renovação de quadros políticos. Somos um país carente de novas lideranças. A corrupção e seus braços continuam a sugar a seiva da dignidade nacional, sob o mando e o comando de grupos e máfias que se instalaram nas entranhas do Estado.

Por isso, o Brasil parece atônito, sem rumos e ante um cenário político nada animador.

O desrespeito às leis e às instituições se espraia pelo território, a sinalizar um quadro de desorganização da vida social, que beira ao estado de anomia. A corrupção abala a confiança em um futuro melhor e a descrença se dissemina, conforme se lê em recente pesquisa que mostra a sociedade indignada contra a classe política.

A sensação é a de que o país precisa de urgente ação cívica, com a mobilização de todas as suas forças sociais, para tirá-lo do fundo do poço. Este é o sentido do ato que estamos promovendo.

O eleitor aprofunda a descrença em um novo ciclo de esperanças. O que fazer para limpar a sujeira que mancha a imagem do homem público?

Nosso ato cívico dá a resposta: a adoção da ética como lume do novo ciclo que o Brasil abrirá no próximo ano, a partir das eleições de outubro. Esse é o simbolismo do evento que reúne representantes de diferentes credos (católicos, evangélicos, muçulmanos, judeus, budistas, das religiões de matriz africana e povos indígenas) e de múltiplas instituições e ONGs da sociedade civil.

A OAB SP sempre esteve à frente de todas as batalhas a favor do Estado democrático de Direito no país, como o faz neste momento. Sob as bênçãos do cardeal Dom Odilo Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, a Catedral da Sé nos acolhe novamente em mais um encontro das forças sociais em defesa dos valores da República e do bem-estar de nossa comunidade.

Marcos da Costa
Presidente da OAB SP

*Artigo publicado originalmente no site do jornal Folha de S. Paulo