OAB SP DESCARTA QUE VAZAMENTO DA PROVA DO EXAME DE ORDEM TENHA OCORRIDO DENTRO DA ENTIDADE


11/12/2007

“ Já temos elementos para afirmar de forma categórica que o vazamento não ocorreu dentro da OAB SP”, afirmou o presidente da Ordem, Luiz Flávio Borges D´Urso, depois de entregar pessoalmente, nesta terça-feira (11/12), às 17 horas, ao superintendente regional da Polícia Federal, Jaber Saadi, complemento das questões repassadas pelo promotor de São Sebastião da Grama, Ernani de Menezes Vilhena Junior, ao procurador geral de Justiça, Rodrigo Pinho que, por sua vez, as encaminhou ao presidente da Ordem, desencadeando a suspensão da prova do Exame de Ordem 134, ao ser constatado o vazamento.

 

Na avaliação do presidente D´Urso, a prova impressa   é um elemento fundamental para a investigação. " As cópias das duas páginas com perguntas do número 19 ao 30  está impressa no formato gráfico oficial.  Portanto, o vazamento se deu no momento da produção  e não na OAB SP, que  seleciona as questões a partir de um banco de perguntas  e entrega  à  Vunesp, responsável pela formatação gráfica ,  reprodução, condicionamento em envelopes lacrados , guarda e  distribuição das provas aos 28 locais de aplicação do Exame. Agora, caberá à investigação  da PF apurar onde aconteceu e quem foi o autor do vazamento”, comentou D´Urso. Ele também disse desconhecer detalhes da logística adotada pela Fundação.

O presidente da OAB SP esclareceu, ainda, que quando as perguntas chegaram no sábado por e-mail, elas tinham sido  digitadas pelo promotor, mas que só ontem recebeu  do MPE  o elemento probatório da  prova física  - a  prova impressa,   que o promotor de São Sebastião da Grama  teria recebido de um professor de cursinho ou de uma aluna, ainda não se sabe ao certo até depoimento de Ernani.

 O superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Jaber  Saadi,  afirmou que o inquérito solicitado ontem (10/12) pela OAB SP já foi instaurado e que será presidido pelo delegado Pellegrini. “Espero antes do final do ano uma solução para este inquérito”, disse.  Saadi ponderou que tem convicção de que há uma quadrilha atuando neste segmento de concursos públicos. “ Certamente nenhuma hipótese está descartada. Todas as possibilidades vão ser investigadas”, garantiu.

 A Sindicância interna da OAB SP, presidida pela vice-presidente, Márcia Regina Machado Melaré, também está trabalhando e já ouviu o presidente da Comissão de Estágio e Exame de Ordem, Braz Martins Neto, único responsável  dentro da OAB SP pela seleção de perguntas que constam da prova da primeira fase  do Exame de ordem  com 100 questões.

Acompanharam o presidente  da OAB SP à sede da Superintendência da PF, a vice-presidente , Márcila Melaré, e a conselheira e diretora adjunta, Tallulah Carvalho.