Rubens Approbato lança desafio às mulheres advogadas


10/09/1999

Approbato participa do Colégio Nacional das Mulheres Advogadas
O presidente da OAB SP, Rubens Approbato Machado, foi o primeiro homem a ocupar a Mesa do Colégio Brasileiro das Mulheres Advogadas, que promoveu um amplo painel dentro da XVII Conferência Nacional dos Advogados.”As mulheres não são preconceituosas como os homens. Caso contrário, não estaria aqui”, comentou o presidente que, era juntamente com o advogado Marcio Thomaz Bastos, um dos únicos homens presentes ao evento. Approbato lembrou que na Seccional de São Paulo, a maior do país, a vice-presidente é uma mulher, dra. Ada Pellegrini Grinover, e duas conselheiras presidem comissões atuantes, como a Defesa do Consumidor, presidida pela dra. Eunice de Jesus Prudente, e da Mulher Advogada, pela dra. Lais Amaral Resende de Andrade.

A vice-governadora do Rio de Janeiro, Benedita da Silva, também integrou a mesa como palestrante. Ela afirmou que as mulheres estão sendo desafiadas nas novas posições que vêm conquistando e que , no caso da mulher advogada, precisam construir para amadurecer a aplicação do Direito, da Justiça. “Tratar da dignidade da pessoa humana é o maior investimento que podemos fazer”, disse, completando que é importante que haja justiça para a mulher e que se lute por uma justiça de inclusão. Bené também questionou a democracia racial no Brasil e afirmou que o país precisa de um Ministério dos Direitos Humanos e não de uma simples secretaria. Por fim, afirmou que as mulheres são agentes revolucionárias porque estão comprometidas em mudar o rumo da história.

No encerramento, o presidente Approbato, que vinha de um Encontro da Comissão da Mulher Advogada no Guarujá, fez uma cobrança às mulheres advogadas: “Se é verdade que a mulher tem os direitos a conquistar, não deixa de ser verdade que faz uma luta, ainda fechada. As mulheres têm de participar mais ativamente. Têm de dizer e mostrar sua força, principalmente quando os homens estão presentes. Este país precisa de todos nós para resgatar seu esgarçado tecido social”, afirmou. Suas palavras foram endossadas pela vice-governadora, que disse ser esta cobrança a parte mais visível de que as mulheres têm que continuar no firme propósito de ocupar espaços.