Defesa do Consumidor avalia MP do Plano de Saúde


14/08/2001

Defesa do Consumidor avalia MP da Saúde

A OAB-SP e outras entidades de defesa do consumidor e associações médicas como o Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira (AMB), se manifestaram contra a medida provisória 2.177-43, que modifica a legislação dos planos e seguros privados de assistência à saúde.

Segundo o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, Nelson Miyahara, a MP representa um retrocesso para as garantias conquistadas nos últimos anos por clientes de empresas de saúde. “A nova regulamentação impede o consumidor de escolher livremente os serviços médicos que deseja utilizar dentro da rede credenciada, tendo que se submeter a uma espécie de triagem que determinará a necessidade ou não de consulta com um especialista”, comenta Miyahara.

O atendimento e a cobertura dos planos também ficam condicionados à disponibilidade do serviço em determinada área geográfica. "Essa limitação de cobertura do tipo de serviço trará grandes transtornos aos usuários. Se ele precisar se submeter a uma cirurgia de alta complexidade, por exemplo, e esse serviço não estiver disponível no local, a empresa está desobrigada a oferecer esse atendimento cirúrgico. Essa alteração somente beneficia as empresas e não o usuário", diz o presidente da Comissão

As pessoas com contratos antigos têm até dezembro de 2003 para fazer a adaptação do contrato. De acordo com Miyahara, desde a sua promulgação em julho de 1998, a chamada lei dos planos de saúde (lei 9.656) teve seu texto original alterado por 43 medidas provisórias. Segundo cálculos da Associação Médica Brasileira, há hoje cerca de 40 milhões de usuários de planos e seguro-saúde de empresas privadas. Deste total, apenas 30% adequaram seus planos à nova legislação.

Mais informações para a Imprensa pelos telefones (11) 3105-0465 ou 239-5122, ramal 224.