Criminalização dos movimentos sociais


24/05/2002

Criminalização de movimentos sociais

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da OAB SP concedeu o auditório do prédio administrativo da Ordem para que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizasse entrevista coletiva sobre a decretação da prisão de 13 militantes do Movimento, na região de Paranapanema, no extremo oeste paulista, ontem (23).

Segundo o coordenador da CDH, João José Sady, a Comissão atendeu a um pedido do Sindicato dos Advogados, que mantém um convênio de assistência judiciária com o MST. Sady, no entanto, ressaltou que a OAB SP vem se manifestando contra a criminalização dos movimentos populares e que é um trágico equívoco a questão social ser tratada como caso de polícia. “Acusar militantes de movimentos populares do crime de formação de quadrilha, não só é um erro técnico, conforme decisão do TJSP e do TRF3, como um grande erro social. Esta atitude apenas acirrará a descrença de uma solução justa e duradoura para os problemas sociais do País”, disse.

Mais informações para a Imprensa pelos telefones (11) 3105-0465 ou 3241-5122, ramal 224.