D´Urso repudia morte de preso em Botucatu


01/04/2004

D´Urso repudia morte de preso em Botucatu

O presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, considerou “um absurdo” a morte de um preso na cadeia pública de Botucatu, no último dia 28, durante rebelião. Gilberto Tonheiro Barbosa estava recolhido administrativamente por não pagar pensão alimentícia e, segundo o delegado Sérgio Castanheira, ele foi morto por não ser reconhecido pela maioria – era paulistano – e teria sido o “escolhido” para dar repercussão ao movimento. A família de Gilberto Tonheiro Barbosa mora em Itaquera, zona leste de São Paulo.
D´Urso também pediu providências à Secretaria Estadual de Segurança Pública com relação aos chamados presos civis (pensão alimentícia e depositários infiéis), que não podem ser misturados aos demais presos acusados ou condenados por crime. Para D´Urso “o Estado tem responsabilidade por esta morte. No Brasil, existem os que vão presos porque são acusados ou condenados e os que não pagaram pensão alimentícia ou que são depositários infiéis, embora não tenham cometido qualquer crime”. O presidente determinou, ainda, que a Comissão de Direitos Humanos da Ordem acompanhe o caso.

Mais informações, na Assessoria de Imprensa da OAB SP, pelos telefones 3291-8175/82.