MANIFESTO CONTRA A CORRUPÇÃO SERÁ ENTREGUE A RENAN E SEVERINO


13/06/2005

MANIFESTO CONTRA A CORRUPÇÃO SERÁ ENTREGUE A RENAN E SEVERINO

O presidente da OAB-SP – Luiz Flávio Borges D’Urso – lidera comitiva de representantes de entidades da sociedade civil que entrega, nesta terça-feira (14/6), às 15 horas, no Congresso Nacional,. MANIFESTO CONTRA A CORRUPÇÃO aos presidentes do Senado, Renan Calheiros e, na seqüência, ao presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti; cobrando apuração aprofundadas das denúncias de corrupção junto aos Conselhos de Ética e Decoro Parlamentar das duas Casas Legislativa e na CPI dos Correios.

O documento foi assinado, na semana passada, na sede da Seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, por representantes de 73 entidades, além da OAB SP, que abriram a primeira Vigília Cívica contra Corrupção. Estarão presentes no ato em Brasília , além do presidente da Seccional, os presidentes da Frente Sindical, Paulinho Pereira da Silva e do Sescon/SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis, Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo), Antonio Marangon; da Associação Comercial de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, Nildo Masini, entre outros. “ As adesões de entidades ao MANIFESTO CONTRA A CORRUPÇÃO não param de crescer, deixando evidente sua afinidade com o sentimento da população”, destaca D´Urso.

Segundo D´Urso, o MANIFESTO quer demonstrar ao Congresso Nacional a imensa insatisfação da sociedade com a perpetuação dos esquemas de corrupção. “ Queremos pressionar de forma legítima o Parlamento, exigindo o início imediato das apurações de denúncias de pagamento de propinas em estatais e da chamada “mesada” a deputados da base aliada ”, diz D’Urso, lembrando que a sociedade espera dos parlamentares um comportamento ético e comprometido com o interesse nacional. “Diante de uma crise política que pode desencadear uma crise institucional, causando turbulência à vida do país e danos à democracia, o que nós queremos é transparência e apuração profunda das denúncias. Se isso não acontecer nós podemos até nos municiar e ir buscar esse amparo no Poder Judiciário. Mas, por enquanto, isso está fora de questão. Nós verificamos que caminhamos para essa apuração indispensável. A nação quer respostas e a sociedade organizada está se articulando em uma frente para acompanhar e cobrar essas respostas”, diz o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D’Urso

O movimento contra a corrupção, iniciado na OAB SP, também tem em pauta a defesa de uma reforma política imediata, que passaria necessariamente pelo estatuto da fidelidade partidária, sistema de voto, financiamento de campanhas eleitorais e reforma partidária. “A infidelidade partidária, muitas vezes motivada por interesses escusos, tem se colocado como um dos problemas centrais da fragilidade do sistema político brasileiro, pois a troca freqüente de partidos acaba solapando a noção de representação, um dos pilares da democracia liberal. O resultado é que se votam em candidatos, e não nos partidos políticos. Naturalmente, a fidelidade partidária não pode engessar o sistema político que é dinâmico e mutável. Uma vez eleito, o parlamentar deve cumprir o mandato pela sigla, podendo trocá-la apenas por ocasião da convenção partidária “, afirma o presidente da OAB SP.

Mais informação na Assessoria de Imprensa da OAB SP, (11) 3291-8179/82