COMISSÃO REPUDIA VIOLÊNCIA E IMPUNIDADE EM ALAGOAS


07/11/2005

COMISSÃO REPUDIA VIOLÊNCIA E IMPUNIDADE EM ALAGOAS

Comissão Repudia violência e impunidade em Alagoas

A Comissão de Direitos Humanos da Seccional de Alagoas e o Fórum de Conselhos Tutelares daquele Estado divulgaram recentemente levantamento, realizado em 76 municípios de Alagoas, revelando que, apenas no ano passado, 402 jovens foram assassinados no estado. O assassinato de jovens por grupos de extermínio em Alagoas levou o Congresso Nacional a criar, no começo de outubro, uma CPI para investigar milícias e grupos organizados na região. O objetivo é revelar a relação entre políticos, juízes, policiais e fazendeiros com eles.

A situação está tão fora de controle que a maioria desses crimes sequer vem sendo investigada no estado, segundo informações de ONGs e da própria polícia. As últimas mortes ocorreram no dia 31 de outubro, quando três jovens, entre 17 e 19 anos, foram assassinados.Os grupos de extermínio de Alagoas também agem contra integrantes de movimentos sociais. Nos últimos 12 anos, 40 membros desses movimentos foram assassinados em emboscadas.
Diante desse quadro preocupante, a Comissão de Direitos Humanos da OAB SP divulga nesta segunda-feira(7/11) Moção de Repúdio,exigindo a apuração rigorosa dos fatos.

Veja a íntegra da Moção:




MOÇÃO DE REPÚDIO


A Comissão de Direitos Humanos da OAB SP vem expor sua indignação em relação aos fatos recentemente ocorridos no estado de Alagoas. Em sendo a vida humana um bem indisponível, é inadmissível que num estado democrático de direito ainda ocorram violações sistemáticas a direitos fundamentais e atentados contra a vida humana, especialmente quando há fundada suspeita de que tais violações sejam perpetradas por grupos de extermínio. Assim sendo a Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP vem, publicamente, manifestar veemente repúdio com relação às mortes ocorridas no estado de Alagoas, esperando que as apurações com vistas à elucidação dos casos sejam feitas com absoluta isenção, e que os responsáveis sejam exemplar e rigorosamente punidos.

Luiz Flávio Borges D´Urso
Presidente OAB SP e CDH
Fábio Romeu Canton Filho
Vice-presidente CDH