ARTIGO: ADEUS A FERNANDO DE CÁSSIO RODRIGUES


05/04/2006

ARTIGO: ADEUS A FERNANDO DE CÁSSIO RODRIGUES

Hoje, dia primeiro de abril, reconhecido como o Dia da Mentira, acordei neste sábado ensolarado para passar mais um fim de semana com minha familia, esposa, filhos, genro, nora e alegria da casa, o meu neto DUDU, constato no visor de meu telefone celular o registro de 3 ligações, as quais não consigo identificar a origem, porém, nos minutos seguintes recebo a triste notícia por meio de mais uma ligação, do falecimento repentino de um GRANDE AMIGO no sentido literal da palavra.
É bem verdade o fato deste ser um amigo, um irmão, um parceiro no bom combate, em busca da IGUALDADE ENTRE TODOS.
A triste notícia me remete ao passado histórico do início de uma amizade, momentos vividos como jovens advogados que éramos na busca de nossa inclusão no quadro de atores do processo político da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo.
Inicialmente participamos do processo político para eleição do candidato Gerson Mendonça, sem contudo obter êxito em nossa empreitada mas com certeza, não em decorrência de falta de luta, pois capitaneado por este grande amigo, colamos cartazes, afixamos faixas, realizamos e participamos de reuniões de campanha, como único objetivo de levar o nosso candidato à vitória e tornar visível a participação e a importância do advogado negro dentro da Ordem.
O tempo passou e chegou o momento de participarmos do processo político que elegeu RUBENS APROBBATO MACHADO, para seccional de São Paulo, mais uma vez nosso amigo tornou-se um cabo eleitoral ardoroso e dedicado viajando pelo Estado em busca da concretização de nossos sonhos, realizados ao final da apuração, porém, um fato é marcante na campanha: numa reunião realizada em um grande hotel de São Paulo, com ilustre candidato e representantes dos advogados afrodescentes, colocamos um pleito nunca antes submetido em uma pauta de campanha, que caso fosse concretizado poderia vir a ser o reconhecimento expresso de nós, advogados negros, pela contribuição histórica na construção da OAB, ou seja a indicação de um advogado negro para Desembargador Via Quinto Constitucional. Este pleito foi posto e atentamente ouvido pelo digno candidato, que reconheceu a legitimidade do mesmo, desde que preenchidos os requisitos previstos no artigo 104 da Constituição Federal de 1988.
Dessa forma, na busca de obter a referida indicação, sempre contei com apoio incondicional de meu saudoso amigo, por reconhecer que o pleito não tinha caráter individual mas sim de uma sociedade negra que sentia necessidade de ver reconhecido um de seus filhos como digno de preenchimento do referido cargo, ou seja com o reconhecimento da Ordem, a aprovação do JUDICIÁRIO e a nomeação do Poder Executivo.
Porém, chegou o momento, ainda em vida, de tomarmos rumos diferentes ao serrarmos fileiras com grupos politicos diferentes; a separação ocorreu por questões ideológicas, porém jamais nos afastou de dialogar, de trocar idéias sobre os ideais comuns que permeavam os nossos pensamentos como molas propulsoras de nossas vidas, ou seja, em busca da implantação do vercadeiro sentimento de IGUALDADE RACIAL E SOCIAL.
Desta forma, mesmo em fileiras opostas, o sentimento de amizade, respeito e principalmente lealdade norteou este vínculo de amizade construído em decorrência do meio ambiente.
Há uma máxima na sociedade de que aquele que morre não tem defeito, porém , seguindo os ensinamentos de CICERO, digo que este amigo tinha defeitos, como qualquer ser comum, porém suas virtudes eram infinitamente superiores, suplantando eventuais entendimentos contrários aos nossos.
Somando-se ao relato acima devo fazer um registro particular de sua personalidade, dirigida principalmente à comunidade negra em geral, o fato de ter sido um NEGRO MILITANTE e não um MILITANTE NEGRO, o faz diferente por ter escolhido campo de batalha diferente daqueles normalmente frequentados por todos, pois buscava de forma contínua o reconhecimento da importância da participação do Negro na Ordem dos Advogados, pois convencido ser o campo certo de luta para obter a VISIBILIDADE E RECONHECIMENTO de nossos pares, contemplando a todos em especial a nós NEGROS, que muitas vezes estivemos à margem do processo politico de construção da história de nossa classe.
Assim, FERNANDO CASSIO, EXPRESSO OS MEUS SENTIMENTOS DE PROFUNDA TRISTEZA PELO SEU FALECIMENTO, SENTIMENTO ESTE QUE ATINGE TODA A MINHA FAMÍLIA, TODA A COMUNIDADE NEGRA, TODA A ORDEM DOS ADVOGADOS E A TODOS INDISTINTAMENTE, POIS COM CERTEZA O MUNDO FICOU MAIS TRISTE NO DIA DA MENTIRA QUE SE TORNOU UMA REALIDADE.

AO MEU AMIGO/IRMÃO AS NOSSAS SAUDADES

MARCO ANTONIO ZITO ALVARENGA
SIMPLEMENTE UM DE SEUS MILHARES DE AMIGOS
PRESIDENTE DA COMISSÃO DO NEGRO E ASSUNTOS ANTIDISCRIMINATÓRIOS - CONAD