OAB SP REPUDIA DECLARAÇÃO RACISTA DO PRÊMIO NOBEL DE MEDICINA 2007


25/10/2007

O cientista norte-americano, James Watson, afirmo que os africanos seriam menos inteleigentes do que os brancos.


O presidente da Comissão do Negro e de Assuntos Antidiscriminatórios da OAB SP (Conad) - Marco Antonio Zito Alvarenga - condenou veementemente declarações de cunho racista do cientista norte-americano James Watson. Laureado com o Prêmio Nobel de Medicina (1962) pela co-descoberta da estrutura molecular do DNA e presidente do laboratório nova-iorquino Cold Spring Harbor, além de diretor científico da Fundação Champalimaud, James Watson afirmou recentemente bem ao estilo hitlerista que os africanos seriam menos inteligentes do que os brancos.

 

Conforme Zito Alvarenga, trata-se de uma declaração retrógrada e irracional que contribui para aumentar e espalhar o preconceito e a intolerância contra a diversidade étnica. “É preciso desqualificar a voz dessa personalidade que tem como marca a polêmica e as declarações preconceituosas”, diz. Referência mundial em Medicina, o cientista James Watson é conhecido por suas declarações ácidas de cunho racista, sexista e homofóbica. “Vindo de um cientista renomado, formador de opinião, tornam-se ainda mais chocantes, lamentáveis e acima de tudo perigosas aos negros e afrodescendentes”, avalia o presidente da Conad da Ordem paulista.

 

Mais uma vez, as declarações provocaram reações em todo mundo. Uma série de palestras que o Prêmio Nobel de Medicina faria no Museu de Ciência de Londres, cujos convites estavam esgotados há muito tempo, foi imediatamente cancelada. Viagens da turnê de James Watson pela Grã-bretanha para promover seu mais recente livro também foram desmarcadas. “Essa reação é uma prova que a sociedade mundial não tolera mais posicionamentos racistas e sem qualquer suporte científico”, diz Zito Alvarenga, lembrando que James Watson tempo atrás causa polêmica entre ao afirmar que as mulheres deveriam ter o direito de abortar se os exames pudessem identificar os genes da homossexualidade no feto.