Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2009 / 07 / 15 / PARA PRESIDENTE DA OAB SP, BAIXO ÍNDICE DE APROVAÇÃO EM CONCURSOS JURÍDICOS REFORÇA NECESSIDADE DO EXAME DE ORDEM

Notícias

PARA PRESIDENTE DA OAB SP, BAIXO ÍNDICE DE APROVAÇÃO EM CONCURSOS JURÍDICOS REFORÇA NECESSIDADE DO EXAME DE ORDEM


15/07/2009

Na avaliação do presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, o baixo índice de aprovados nos concursos jurídicos refletem a má qualidade dos cursos de Direito no país e a necessidade de manter o Exame de Ordem como critério de acesso ao exercício da Advocacia.

 

O último concurso para o TJ-SP abriu 183 vagas, mas apenas 76 candidatos foram aprovados. Em setembro de 2008, o Tribunal resolveu realizar novo certame, ainda não concluído, para o preenchimento de 150 vagas.  Também no último concurso de ingresso ao Ministério Público Federal foram preenchidas apenas 83 vagas das 148 oferecidas.

 

O quadro em São Paulo não é diferente do restante do país: as instituições não estão conseguindo preencher as vagas abertas porque o número de candidatos aprovados nos concursos não é suficiente.

 

“Diante desse alto índice de reprovação em concursos jurídicos, questionamos  projetos, como do senador Gilvam Borges, que pretendem abolir o Exame de Ordem sob a justificativa de que o bacharel já cursa durante cinco anos um curso superior oficialmente autorizado e credenciado e que o Exame não teria o  condão de avaliar a capacidade técnica  de quem quer que seja”, diz  D´Urso.

 

Para o presidente da OAB SP, a  má qualidade do ensino jurídico se reflete diretamente no índice de reprovação de inscritos nos exames da OAB, acima de 20%. “ O Exame de Ordem não é  concurso público, com números de vagas  definidas. Apenas busca aferir se o bacharel reúne condições profissionais mínimas para atuar como advogado. O ensino do Direito, hoje, precisa diminuir a distância  existente entre o bacharel e o mercado, porque na forma atual os dois lados perdem”, comenta D´Urso.