PROMOTOR DO CASO TIRIRICA NEGA OFENSA A ADVOGADOS


17/11/2010

Depois de Nota assinada pelo presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D’Urso, repudiando veementemente a declaração atribuída ao promotor de Justiça eleitoral de São Paulo, Maurício Antonio Ribeiro Lopes, de que “advogado é sórdido”, e de um pedido de explicações do presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB SP, Antonio Ruiz Filho, o promotor oficiou a Ordem, negando a ofensa.
A afirmação teria sido feita ao jornal Correio Braziliense pelo promotor, ao saber que o advogado Ricardo Vita Porto, que defende Franciso Everardo Oliveira Silva (Tiririca) iria protocolar a defesa nos últimos minutos de prazo.

“Jamais me referi ao dr. Ricardo Vita Porto com qualquer adjetivo desairoso ou desrespeitoso e tenho absoluta consciência disso. Também jamais diria de modo genérico que ‘advogado é sórdido’, pois eu mesmo fui advogado de ‘1984 a 1988 quando Procurador do Estado lotado na Procuradoria de Assistência Judiciária”, afirmou no texto.

O promotor justifica que a expressão surgiu quando o jornalista do  “ Correio Brasiliense”  especulava sobre o que aconteceria se o candidato eleito descumprisse a convocação judicial.” Em dado momento o repórter especulou – mas e se o advogado não apresentá-lo menos após as insistentes convocações? Ai disse ‘ isso seria muita sordidez’. Veja, uma coisa é reputar um comportamento hipotético, repetitivo e desrespeitoso para com ao Justiça como sórdido. Outra muito diferente, é dizê-lo sobre pessoa determinada e fato concreto, o que jamais ocorreu”, argumentou.

“Para a OAB SP, as explicações do promotor  Mauricio Antonio Ribeiro Lopes são esclarecedores e reiteram que  o respeito recíproco e o caráter de urbanidade que deve  conduzir a convivência entre advogados, promotores e magistrados no interesse  da Justiça não foram quebrados”, afirmou o presidente D’Urso.

Veja a íntegra da Carta