CONSELHO FEDERAL APROVA ORÇAMENTO DA SEGUNDA GESTÃO D'URSO


29/04/2011

As contas da segunda gestão do presidente Luiz Flávio Borges D’Urso (2007-2009) foram aprovadas por unanimidade pela 3ª Câmara do Conselho Federal. “Isso credito ao trabalho sério que milhares de colegas realizaram conosco", afirmou D'Urso. Para Marcos da Costa, vice-presidente, que foi diretor-tesoureiro na gestão passada, os números demonstraram que no segundo mandato da gestão D'Urso: "Concluímos a recuperação financeira da Seccional Paulista. Evoluímos de um patrimônio social liquido negativo para um positivo de R$ 50,1 milhões”, afirmou.

Segundo Marcos da Costa, a implantação do orçamento participativo, para o qual todas as Subsecções e departamentos da Ordem contribuem, vem permitindo elaborar uma peça orçamentária  realista e democrática, contribuindo para o equilíbrio financeiro, recuperação da receita e dos investimentos. “Também passamos a ter mais transparência, com a disponibilização dos orçamentos da Ordem no site”, lembra.

O presidente D’Urso ressalta que a descentralização financeira da OAB SP foi um marco, porque criou um novo modelo, que recuperou financeiramente as receitas da entidade dando autonomia para as Subsecções, que passaram a conhecer seus números e a participar da gestão dos recursos provenientes dos advogados. “O projeto é tão bem sucedido que vem sendo adotado por outras Seccionais”, afirmou.

Outra medida positiva foi a implantação da certificação ISO 9001-2000, do qual foi coordenador, na busca da excelência na gestão de qualidade no atendimento aos advogados e nos procedimentos internos da entidade. “Atualmente atingimos 95% dos inscritos, sendo que chegaremos a 100% até o final da administração D'Urso ”, comentou o vice-presidente.
As Casas e Sala dos Advogados, distribuídos por mais de mil pontos em todo o Estado, foram recuperadas e ampliadas na medida do possível e criadas novas infra-estruturas tecnológicas com implantação de terminais e pontos de internet.

Em decorrência do saneamento financeiro, segundo  Costa, a anuidade paga pelos advogados foi reajustada abaixo da inflação. De 2004 a 2009, a anuidade subiu 27,27%, sendo que o IPC-Fipe ficou em 31,19%, o IPCA 35,35%, o INPC 33,62% e o IGPDI em 36,71%.  O aumento ficou de 4% a 10%  abaixo da inflação, de acordo com o indicador que a OAB SP estabeleceu, isso sem falar no valor agregado, caso do cartão de crédito que pode zerar o valor da anuidade pelo sistema de bônus e o serviço gratuito de intimações online que o advogado dispõe desde a primeira gestão D'Urso”, destacou Costa.

A redução do valor da fotocópia é outro benefício que Costa apontado decorrência do saneamento financeiro. “em 2003 o valor da fotocópia era de R$ 0,20 para o advogado e hoje é de R$ 0,15 para o advogado e duplicamos o volume de cópias,  saltando de 57 milhões em 2004 para 100 milhões de 2009.