Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2011 / 12 / 05 / OAB SP EXPÕE NA ALESP MOTIVOS DA PROPOSTA PARA MUDAR GESTÃO DO CONVÊNIO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

Notícias

OAB SP EXPÕE NA ALESP MOTIVOS DA PROPOSTA PARA MUDAR GESTÃO DO CONVÊNIO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA


05/12/2011

O presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D’Urso e o vice-presidente, Marcos da Costa estiveram reunidos, na última quinta-feira, com a cúpula da Assembleia Legislativa para apresentar as razões da proposta de mudança da gestão do Convênio de Assistência Judiciária, da Defensoria Pública para a Secretaria de Justiça e Cidadania, que resultou no PLC 65/2011, de autoria deputado Campos Machado (PTB-SP), presidente da Frente Parlamentar dos Advogados, alterando o inciso XVIII do artigo 164, e dos artigos 234, 235 e 236 da Lei Complementar nº 988/2006.

 

Participaram da reunião, além dos dirigentes da OAB SP, os deputados Barros Munhoz(PSDB) presidente da Alesp; Campos Machado, líder do PTB,   Jorge  Caruso,  líder do PMDB e relator especial do projeto; Vinicius Camarinha (PSB) e Enio Tatto (PT).

 

“Os deputados desejavam ouvir a OAB SP sobre as razões que motivaram esse pedido de mudança da gestão do Convênio de Assistência Judiciária. Expusemos que desde 2008, o Convênio de Assistência Judiciária, que atende a população carente do Estado, vem funcionando precariamente por força de liminar obtida em ação proposta pela OAB SP. O Convênio de Assistência Judiciária vem sendo hostilizado pela Defensoria Pública por meio de uma série de empecilhos, como a edição de enunciados e comunicados que estão modificando unilateralmente as condições da parceria, resultando em prejuízos para os advogados, como a protelação, sem razão, do pagamento de honorários, e sobre os serviços prestados.”, justificou D´Urso.

Marcos da Costa argumentou também que a Defensoria Pública hoje não tem estrutura nem pessoal suficiente para atender cerca de um milhão de carentes/ano. “Ao não querer renovar o Convênio com a Ordem, como previsto em lei, a Defensoria Pública coloca obstáculos para que o Estado preste atendimento jurídico gratuito ao cidadão carente, que é sua obrigação, com prevê a Constituição Federal”, disse Marcos da Costa, vice-presidente da OAB SP e autor da proposta, que tem o aval da Diretoria, Conselho e Colégio de Presidentes da OAB SP. “Os prefeitos e vereadores no Interior  do Estado sabem a importância do trabalho prestado por milhares de advogados que integram o Convênio de Assistência Judiciária”, garantiu.

O presidente D’Urso também informou aos parlamentares que a OAB SP já recebeu até novembro 102 Moções de apoio de Câmaras Municipais de todo Estado ao pleito da Ordem para que a gestão do Convênio de Assistência Judiciária seja feita pela Secretaria de Justiça e Cidadania.

 Recentemente, o deputado Jorge Caruso, relator especial do PLC 65/2011 acatou os argumentos  e recentemente emitiu parecer favorável à aprovação da proposta de mudança da gestão do Convênio pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.  O deputado Caruso justificou que o texto contemplava os requisitos de constitucionalidade, legalidade e juridicidade.