OAB SP LANÇA CAMPANHA PARA AMPLIAR PARTICIPAÇÃO DA MULHER ADVOGADA


07/03/2013

Durante o seminário “Dia Internacional da Mulher – A participação das mulheres nos poderes Executivo, Legislativo, Judiciário, na entidade de classe – OAB, segurança pública e sociedade civil”, realizado nesta quinta-feira (7/3), partir das 9h30, no salão nobre da OAB SP, o presidente da OAB SP, Marcos da Costa; a presidenta da Comissão da Mulher Advogada, Gislaine Caresia e a diretora adjunta, Tallulah Kobayashi de Andrade Carvalho, lançaram a campanha “ Justiça , Seu Nome é Mulher.”.

O cartaz da campanha traz uma mulher advogada divida, a explicitar que a mulher tem seu lado profissional e o familiar em equilíbrio;  e traz o texto : “Advogada, a OAB SP está de portas abertas para você. Venha participar do dia a dia da Ordem. Com a sua colaboração, vamos construir uma sociedade espelhada nos valores femininos: mais sensível justa e democrática”. A campanha foi idealizada pela agência Agnelo Pacheco.

“Essa é a primeira campanha que lançamos nessa gestão , véspera do Dia Internacional da Mulher (8/3). No Brasil, a mulher  ainda sofre muita discriminação, nós ocupamos a posição 107ª em participação feminina no Parlamento, ficamos apenas na frente do Haiti. Na Ordem, o número de mulheres inscritas  vem superando o número de  homens. Mas, a participação da mulher na política classista ainda é pequena em relação aquilo que desejamos. Porém é qualitativa, temos destacada presença feminina na Diretoria, Conselho, Subsecções e nas comissões”, explicou o presidente.

O presidente afirmou que um dos objetivos de sua gestão e da campanha: “Temos a missão de fazer com que a mulher advogada participe, cada vez mais, da política da entidade, fazendo com que tenha na Ordem a sua casa, mas que tenha também a possibilidade de contribuir de forma decisiva para a gestão da OAB SP, ocupando todos os espaços possíveis”.

A presidente da Comissão da Mulher Advogada, Gislaine Caresia, falou sobre a presença feminina na advocacia e das dificuldades que as mulheres ainda encontram“ devido às discriminações ainda existentes, as restrições ao acesso ao conhecimento, à formação e, consequentemente, ao emprego e a melhores salários, essas discussões são fundamentais. Em São Paulo, há 114 anos, formava-se na faculdade do Largo São Francisco, a primeira mulher advogada, Maria Augusta Saraiva. Na década de 30 era raro a São Francisco ter uma mulher em suas fileiras. Atualmente, o número de mulheres na São Francisco é igual ou maior do que o número de homens” .

Caresia trouxe dados divulgados pelo Conselho Federal da OAB, de 2012, mostrando que houve um aumento no número de registro de advogadas. “Do total de 696.864 profissionais em atividade no Brasil, 384.152 são homens e 312.712 são mulheres, quase 45 % do total. Na OAB SP, mais da metade é composta por mulheres. A participação da mulher no mercado de trabalho passou a ser uma necessidade. Apesar disso, ainda é visível a diferença entre homens e mulheres, principalmente em cargos mais elevados”, afirmou Gislaine.

A diretora-adjunta, Tallulah Carvalho, foi a primeira palestrante e falou sobre “Entidade de Classe”.  Para ela, a campanha faz um convite amplo à participação das advogadas na OAB SP. Tallulah homenageou todas as mulheres presentes, citando nominalmente a ex-presidente da Comissão da Mulher Advogada, Fabíola Marques e Katia Mali, presidente da Subsecção de Miracatu, a atual presidente da Comissão, Gislaine Caresia, entre tantas autoridades presentes.

 

A  vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão, encerrou o seminário,  abordando o tema da mulher e o Poder Executivo, lembrando que a mulher tem uma série de entraves para atingir uma posição de poder, porque permanece com dupla jornada de trabalho e multiplicidade de tarefas. Segundo ela, hoje a mulher dedica 25 horas para as tarefas domésticas e os homens 9,8 horas. “ Sou otimista quanto às modificações desse cenário. Certamente, não será um processo do dia para noite, mas envolve um esforço conjunto, qualificação e acesso ao trabalho, luta contra a violência, ter projetos,  divisão do trabalho doméstico , reforço à autoestima, além de muitas determinação”.

 

Também fizeram palestra no seminário :  deputada estadual Célia Leão será a expositora em “Poder Legislativo” e a presidente da Amatra – 2ª Região, Patrícia Almeida Ramos, discorrerá sobre “Magistratura”; a presidente da Federação das Mulheres Paulistas, Lídia Correa, será a palestrante em “Sociedade Civil”. A diretora do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), Elisabete Ferreira Sato Lei, ministrará palestra sobre “Segurança Pública” e Denise Motta Dau, secretária especial de Políticas para Mulheres da Prefeitura de São Paulo, discorrerá sobre “Formulação e Execução de Políticas Públicas para as Mulheres”.

 
A mesa de trabalho foi composta pela conselheira e ex-presidente da Comissão, Fabíola Marques, pelas desembargadoras Christine Santini e Regina Duarte, pela presidente da subsecção de Miracatu, Katia Malik, pelo conselheiro seccional Luís Roberto Mastromauro, e pela representante da OAB SP no Conselho Estadual da Condição Feminina, Beth Russo.