PRESIDENTES DE SUBSECÇÕES DA CAPITAL APOIAM DESCENTRALIZAÇÃO DOS INSCRITOS NO CENTRO


03/05/2013

No intuito de fortalecer as subsecções da Capital, o presidente da OAB SP Marcos da Costa, reuniu nesta quinta-feira (02/05), às 17h30, na sede da OAB SP, todos os presidentes de subseções de São Paulo para propor a descentralização dos 90 mil inscritos no centro, estimulando-os a se vincularem nas subseções. Participaram da reunião a vice-presidente da OAB SP, Ivette Senise Ferreira; o secretário-geral adjunto, Antonio Ruiz Filho; o diretor-tesoureiro, Carlos Roberto Fornes Mateucci, e a diretora-adjunta Tallulah Kobayashi de Andrade Carvalho.

“A intenção é fazer com que as subseções da capital sejam fortalecidas  e que os advogados participem  destas subseções da capital”, disse Costa. "Pensamos que a  transferência deva ser facultativa, e o estímulo seja mostrar aos colegas a importância da vinculação com nossas subseções para que possam usufruir não só dos serviços prestados pela OAB , mas também da convivência com os colegas da mesma região."

 Os presidentes se manifestaram favoravelmente à proposta, que foi aprovada por unanimidade. Também foi sugerido que a OAB SP desenvolva campanhas para incentivar os advogados e estagiários que estão inscritos no Centro a migrarem para as subsecções  e se promova um recadastramento para atualização dos dados.

O presidente de São Miguel paulista, João Luiz Pomar Fernandes, considerou a proposta brilhante e acredita que ela permitirá ao advogado estreitar os laços com a região. Já Claudio Schefer Jimenez, de Santo Amaro, considera a descentralização importante para valorizar a subseção e sugeriu a realização de uma campanha. Lembrou que durante a eleição fez visita a um prédio no Largo 13, onde 80% dos advogados não eram inscritos em Santo Amaro.

 Rodolfo Ramer da Silva Aguiar, de Nossa Senhora do Ó, apontou frentes de trabalho: trazer os advogados do centro para a subsecção e realizar a inscrição de novos diretamente na subsecção.  Eudécio Teixeira Ramos, presidente da subsecção de Itaquera, também endossou a proposta de descentralização.

A presidente do Ipiranga, Andréa Regi ma Gomes, disse que sua diretoria tem buscado atrair os inscritos no centro, mas que é preciso combater alguns mitos, como o fato de que advogado que se inscreve no centro recebe mais cedo à carteira s OAB.

 O presidente da Subseção de Pinheiros, Pedro Ivo Gricoli Iokoi, que conseguiu triplicar o número de inscritos nos últimos anos, explicou que foram elaboradas “algumas ações de transferência de advogados do centro para Pinheiros, bem sucedidas. Não apenas pelos benefícios locais e parcerias que temos com comerciantes e empresários da região, mas também pelo relacionamento que desenvolvemos com os advogados na subseção, devido ao ponto estratégico que temos na Vila Madalena e ao trabalho de toda a diretoria [local] e das comissões que foram cativando os advogados a participarem da Casa e integrarem a família pinheirense.”

Para a presidente de Santana, Eliana Malinosk Casarini, a descentralização traz vantagens aos advogados: "Em primeiro lugar para que ele conheça a entidade a qual pertence, para frequentar e trabalhar efetivamente na subseção e, além de tudo, para facilitar, pois quem vive na capital tem o agravante do trânsito a enfrentar e o deslocamento do advogado acaba ficando muito mais fácil, não apenas para resolver problemas como renovação de carteira e outros, como também proporcionar maior participação no dia da eleição".

Na avaliação de Antônio Ricardo Miranda Júnior, presidente do Jabaquara, a descentralização é importantíssima, pois aproxima a OAB SP do advogado: “Enquanto o advogado inscrito na central é apenas 'mais um', na subseção ele está integrado e inserido com a sua comunidade. Então eu vejo com bons olhos e torço para que essa campanha seja efetiva e traga o advogado para a nossa Subseção do Jabaquara”.

O presidente da Lapa, Pedro Luiz Napolitano, tem convicção de que a descentralização será positiva, pois pode dobrar o número de inscritos: "Hoje temos em torno de 3 mil inscritos e  poderemos chegar a  6 ou até 10 mil advogados inscritos na subseção  e com isso o  presidente e a diretoria serão valorizados ; assim como a subseção, que realiza uma série de trabalhos na região, inclusive junto às subprefeituras e entidades locais, o que vem a aproximar o advogado da sua própria casa."

 O presidente de Penha de França, Márcio Gonçalves, considerou  excelente a proposta: “ Na realidade, o presidente Marcos da Costa mais uma vez inova, colocando uma proposta que ao nosso ver deve ser implementada e ter o empenho dos demais presidentes [de subseções] da capital. Isso para que possamos juntos, todos, descentralizados conseguirmos alcançar um pouco mais e termos diretrizes, considerando o número de advogados inscritos em cada subseção”

Para Leopoldo Luis Lima Oliveira, o Tatuapé “é um dos bairros que mais cresce em São Paulo e acho fabulosa essa proposta [de descentralização], que cria um estímulo para o advogado, traz união maior da classe. Isso traz maior aprimoramento sob o ponto de vista gestacional da OAB SP e mais união para a classe”.

 

Como segunda pauta da reunião, Marcos da Costa, propôs aos presidentes das subseções  paulistanas, a consolidação das ações e estudos que cada uma delas vêm promovendo em suas respectivas regiões para desenvolver um projeto que envolva a cidade: “Precisamos identificar as necessidades locais e a partir do debate com a sociedade e entidades, tirar questões que estão preocupando a população e encaminhar ao Prefeito, colaborando com seu plano de metas e, assim, contribuir para construir  uma cidade melhor para todos”, concluiu Costa.