PRESIDENTE DA OAB SP PROPÕE A SUSPENSÃO DO AUMENTO DA TARIFA DE TRANSPORTE


18/06/2013

Durante sessão do Conselho da Cidade, reunido nesta terça-feira (18/06), na sede da Prefeitura de São Paulo, o presidente da OAB SP Marcos da Costa propôs que o prefeito Fernando Haddad promova a suspensão do aumento da tarifa de transporte para que haja avanço nas negociações. “Ao suspender o aumento da tarifa, retira-se a tensão social atual e permite-se que a Prefeitura possa analisar alternativas ao aumento”, diz Costa.

Mais de 50 conselheiros inscritos tiveram direito à palavra; assim como as lideranças do Movimento Passe Livre, que ameaçaram deixar a reunião por entender que o Conselho da Cidade era instância deliberativa, mas permaneceram até o final e obtiveram do prefeito o compromisso de uma nova reunião.

A sessão do Conselho da Cidade foi aberta e encerrada pelo prefeito Fernando Haddad, que deixou claro que, na sua visão, a discussão com o Movimento não reside no aumento na tarifa  de R$0,20, mas no congelamento da tarifa em $ 3,00 até o final de sua gestão. O prefeito afirmou que se isso acontecer, teria de criar uma fonte alternativa de recursos para subsídios da ordem de R$ 2,7 bilhões, seja aumentando a arrecadação, oferecendo menos serviços públicos, criando um imposto na bomba de gasolina ou espremendo o empresariado do setor, o que teria impacto sobre o reajuste dos salários de motoristas e cobradores.

O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, fez uma longa explanação sobre a composição da planilha de custos dos transportes e sobre os projetos da atual gestão para melhorar a locomoção na cidade de São Paulo. Disse que o ônibus é, na verdade, apoio ao sistema de transporte de massa – metrô e ônibus -  e que estava previsto gastos com subsídios de R$ 600 milhões e que uma das possibilidades é debater sobre a possibilidade de o usuário de carro  financiar o transporte público.

Por conta da manifestação na Praça da Sé, a OAB SP dispensou os funcionários às 16h30 de seu prédio sede, na Praça da Sé, 385, que  permaneceu fechado a partir desse horário.