OAB SP Faz Parceria com Emílio Fontana e Homenageia Juca de Oliveira


06/09/2013

A OAB SP homenageou o ator Juca de Oliveira, no dia 20 de agosto, na sede do MIS, no lançamento do filme O PROCESSO DE JOANA D'ARC. Na cerimônia, Oliveira foi representado pela procuradora da Fazenda Nacional Maria Fernanda Faro, cunhada do ator.

 

A homenagem foi prestada pelo conselheiro federal e diretor de Relações Institucionais da OAB SP, Luiz Flávio Borges D’Urso, que destacou a importância do ator na arte e cultura brasileira. Também houve homenagem para o diretor e professor de Teatro, Emilio Fontana, que dirigiu o filme, objeto da parceria da OAB SP.

 

“O Juca de Oliveira é um dos maiores atores brasileiros, mas enquanto a arte ganhou um artista fantástico, a advocacia perdeu possivelmente um admirável advogado, já que o nosso querido Juca abandonou o curso de Direito”, contou D’Urso.

 

Juca de Oliveira nasceu em São Roque, interior de São Paulo. Antes de se decidir pela carreira de ator, Juca cursou durante três anos a Faculdade de Direito e depois a Escola de Arte Dramática de São Paulo. Ele desistiu de fazer Direito para se dedicar à profissão de ator.


Entre as peças nas quais atuou, estão “O Semente”, “O Pagador de Promessas”, “A Morte do Caixeiro Viajante” e “Eles Não Usam Black-tie”. Mais tarde, descobriu a vocação de autor teatral. Entre os seus textos estão “Meno Male”, “Hotel Paradiso” e “Caixa Dois”.
Na década de 60 dedicou quase que exclusivamente ao teatro, ao participar de mais de 40 peças e foi premiado por suas interpretações nas peças “Dois na Gangorra", "A Cozinha" e "A Morte do Caixeiro Viajante".


O seu primeiro sucesso em uma novela foi em “Nino, o Italianinho”, de Geraldo Vietri. Mas foi na Rede Globo que passou a ser consagrado como um dos maiores atores do Brasil. Algumas das novelas e minisséries em que participou foram “Saramandaia”, “Fera Ferida”, “As Pupilas do Senhor Reitor”, “O Clone”, “Mad Maria” e “Araguaia”.Juca também atuou no cinema em filmes como “À Flor da Pele”, “Outras Estórias” e “O Signo da Cidade”.