Cerimônia de entrega do Prêmio Benedicto Galvão


05/12/2013

Os contemplados com o Prêmio Benedito Galvão – 2013, entregue pela Comissão da Igualdade Racial da OAB SP, na última terça-feira (26/11), às 20 horas, no salão nobre da Ordem, ressaltaram o perfil vanguardista de Galvão, primeiro Presidente negro da Seccional Paulista, que dirigiu a instituição no início da década de 40.

 

“Benedito Galvão ajudou a construir esse grande edifício que é a OAB SP. O prêmio que leva seu nome é um reconhecimento da importância e do respeito à comunidade negra. Também é uma homenagem que se faz sempre a esse que foi o primeiro  Presidente negro da história da Ordem Paulista e uma oportunidade  que temos de promover mais  um debate no que se diz respeito a esse grande mau que é o racismo que, infelizmente, ainda sobrevive em nosso país”, disse o Presidente da OAB SP, Marcos da Costa, que abriu a cerimônia de premiação.

 

Para Carmen Dora de Freitas Ferreira, Presidente da Comissão de Igualdade Racial, que fez a entrega das honrarias juntamente como Presidente da Seccional, o prêmio Benedicto Galvão é “uma homenagem para a comunidade negara, expressada por alguém que em uma época tão difícil já exercia a advocacia e, além disso, presidiu a honrosa Ordem dos Advogados do Brasil. É uma referência positiva, uma reafirmação que deve se perpetuar”.

 

A Vice-Presidente da OAB SP, Ivette Senise Ferreira destacou: “Benedicto Galvão é uma figura muito importante na OAB, a demonstrar o envolvimento da Ordem nas questões sociais do país. E, como todos sabem, há um movimento muito grande desde o final do século passado para a promoção das minorias, inclusive as minorias étnicas, e a OAB não poderia ficar alheia a essa iniciativa e a esse movimento e foi exatamente na gestão do presidente D’Urso que começou a tomar corpo essa solicitação de prestigiarmos criarmos um prêmio que pudesse demonstrar o nosso apreço pelas minorias étnicas e a inserção delas”.

 

Falando em nome de todos os homenageados, a Conselheira seccional, Eunice Aparecida de Jesus Prudente, disse que o prêmio tem um significado especial: “Primeiro, porque a história de Benedicto Galvão foi recuperada pela conselheira, na época, Maria da Penha Guimarães, que juntamente com outros colegas que pesquisaram e recuperaram sua foto. Esse foi um passo significativo, depois com a instituição do prêmio para advogados afrodescendente e pessoas de outras atividades. Significa que ele (Benedicto Galvão) é nosso patrono e nós vamos seguir os seus passos e seus ideais democráticos”.

 

A Desembargadora federal, Rilma Hemetério, Vice-Presidente do TRT-2 - uma das homenageadas - disse ser uma honra receber o prêmio: “Fico muito agradecida à Comissão ter me colocado nesse patamar. Vejo Benedicto Galvão como uma pessoa eminentemente pioneira, porque na década de 40 conseguiu chegar ao ápice que ele chegou, porque se hoje já é difícil aos afrodescendentes superarem certos obstáculos, na década de 40, isso era praticamente impossível”.

 

Na avaliação do Coordenador da Comissão de Direitos Humanos, Martim de Almeida Sampaio, o significado do prêmio é “de reconhecimento da participação da comunidade afrodescendente na esfera jurídica, é a premiação de talentos e valores de pessoas que enfrentaram enormes dificuldades, mas souberam superar e alcançar e a Ordem procura através de uma homenagem conhecer esse esforço. É uma política afirmativa”.

 

Foram premiados: Christiano Jorge Santos, promotor de Justiça; Rilma Aparecida Hemetério; Eunice Aparecida de Jesus Pudente; Francisco Carlos Quintino da Silva, Diretor da Fequinfar; Sinvaldo José Firmo, advogado especializado em crimes de racismo; Milton Barbosa, precursor do Movimento Negro; Daiane dos Santos, ginasta; Sonia Maria Aparecia Nascimento, Vice Presidente do Conselho Diretor do Geledés; Jorge Reis Tarcisio, ativista do Movimento Negro; Diná da Silva Branchini, pesquisador social e Maria do Carmo Valério, empresária e produtora dos comésticos Muene.

 

Compuseram a mesa dos trabalhos: Presidente da OAB SP, Marcos da Costa; Vice-Presidente, Ivette Senise Ferreira; Umberto Luiz Borges D'Urso, Diretor Cultural da OAB SP; a Presidente da Comissão da Igualdade Racial, Camen Dora de Freitas Ferreira; Desembargadora do TRT-2, Rilma Hemetério; Conselheira Seccional Eunice Aparecida de Jesus Prudente, Diretor Adjunto de Direitos Humanos, Martim de Almeida Sampaio; Coordenadora de Ação Social da OAB SP, Clarice D’Urso; o Promotor de Justiça, Christiano Jorge Santos; e os conselheiros Alessandro Brecailo , Edivaldo Mendes da Silva e Rui Augusto Martins.