A advocacia está de luto pela morte de Paulo José da Costa Júnior


02/03/2015

Paulo José da Costa Júnior
Advocacia perde Paulo José da Costa Júnior.

A OAB SP lamenta a morte do advogado Paulo José da Costa Júnior (1925 - 2015) e informa que o velório está sendo realizado nesta tarde de segunda-feira (02/03), das 13 às 16 horas, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco, nº 95). O enterro está marcado para as 16h30, no Cemitério do Araçá (Rua Doutor Arnaldo, 1.200).

“O nome de Paulo José da Costa Júnior é uma referência no Direito Penal Brasileiro”, pontua Marcos da Costa, presidente da OAB SP. “Sua trajetória o tornou um advogado singular, capaz de produzir material técnico-jurídico robusto e claro, sendo leitura obrigatória durante os anos de academia e também depois, na rotina do exercício de nossa profissão. Como se não bastasse, há ainda sua produção literária, que nos revela um homem de talento para a arte da escrita e de elevada humanidade”, acrescenta Marcos da Costa.

O conselheiro federal e diretor de Relações Institucionais da OAB SP, Luiz Flavio Borges D’Urso, também se manifesta com pesar sobre o falecimento: “ O professor Paulo José da Costa Junior inscreveu seu nome na História Jurídica Brasileira e Italiana mercê de sua competência e elevada capacidade intelectual. Como seu aluno que fui do doutoramento de Direito Penal na Faculdade de Direito da USP, tive o privilégio de com ele aprender e conviver. Sua morte perpetua seu legado na carreira brilhante de seu filho Fernando José da Costa, que foi meu conselheiro secional quando presidi a OAB de São Paulo. A Advocacia está de Luto.”

Uma vida de dedicação plena ao Direito


A história de Paulo José da Costa Júnior com a advocacia teve início no Faculdade de Direito do Largo São Francisco (turma de 1947). Aperfeiçoou sua carreira tornando-se doutor pela na Universidade de Roma (1960). Na vida acadêmica, Costa Júnior chefiou o Departamento de Direito Penal da Universidade de São Paulo por mais de cinco anos tendo sido professor de várias turmas de importantes criminalistas em atuação no mercado. Produziu obras jurídicas e literárias de peso, com destaque para “O Direito de Estar Só: Tutela Penal da Intimidade”, “Nexo Causal”, “Bala Perdida”, “Código Penal Comentado” e “Direito Penal Societário” e “Crimes contra o Consumidor”. É membro da Academia Paulista de Letras e da Academia Brasileira de Letras Jurídicas.