Palestra sobre empreendedorismo reúne advogados na nova sede da OAB SP


13/04/2015

Palestra sobre empreendedorismo reúne advogados na nova sede da OAB SP
Clemencia B. Wolthers, conselheira Secional e presidente da Comissão Permanente das Sociedades de Advogados da OAB SP, lembrou que a possibilidade de aderir ao Simples Nacional facilita a administração dos escritórios

O empreendedorismo na advocacia foi tema de palestras na nova sede da OAB SP, na manhã de sexta-feira (10/04). Foram tratados assuntos como o planejamento necessário para a formação com sucesso de sociedade de advogados; como escolher um sócio para o escritório; como e quando utilizar o supersimples; como fidelizar o cliente e calcular os ganhos a médio e longo prazos.

Com especialização em Direito Empresarial e graduado em Ciências Jurídicas e Sociais, Joaquim Batista Xavier Filho, que é gerente e consultor do Sebrae-SP iniciou a exposição falando sobre a importância da desmistificação do empreendedorismo e das boas práticas de gestão em escritórios de advocacia. Para mostrar que o empreendedor não nasce, ele se desenvolve, Xavier Filho citou a frase de Peter Drucker, que é considerado o pai da administração moderna: “O empreendedorismo é um comportamento e não um traço de personalidade” para depois completar seu raciocínio acrescentando que “todos nós temos essa semente, mas é preciso trabalhar, treinar e se desenvolver. Fazer um curso de marketing, por exemplo, para começar. Entender que ao invés de buscar o cliente na rua, você deve tratar bem quem já é seu cliente, para que ele possa te indicar a amigos, familiares, etc.”.

O gerente do Sebrae-SP enumerou os comportamentos empreendedores que devem ser o foco dos advogados que têm seu próprio escritório ou trabalham em uma sociedade que vão da persistência ao sistemático planejamento e monitoramento. Xavier Filho falou ainda da importância de procurar bons parceiros e até, em alguns momentos, fazer parcerias com concorrentes para compra de materiais e contratação de motoboy, por exemplo, que podem representar redução de custos. “Por fim, se você quer que o seu escritório tenha sucesso, é preciso colocar no papel o seu plano de negócio. Calcular riscos, se perguntar e se planejar. Você, por exemplo, já se perguntou se este ano teremos uma greve da Justiça Federal? Quais são suas alternativas se isso acontecer? São perguntas que seu planejamento tem que responder”.
 

Tributação

Em outra palestra o tema tratado foram as questões práticas trazidas pela Lei Complementar nº 147/2014, que estabeleceu regime especial unificado de arrecadação de tributos e contribuições devidas pelas microempresas e empresas de pequeno porte. Legislação que nasceu por iniciativa da OAB SP.

A palestrante foi Claudia Regina Latorre, advogada, especialista em Direito Empresarial pela Escola Paulista de Direito (EPD) e Direito Empresarial Ambiental pela UniFMU. De acordo com Claudia Regina, antes de o advogado indicar a um cliente ou decidir como pessoa jurídica pelo Simples Nacional ou pelo Lucro Presumido, é preciso analisar as possibilidades. “Verificar qual o faturamento da empresa ou da sociedade de advogados. O Simples Nacional é vantajoso para quem tem faturamento anual de até 2 milhões e 160 mil reais. Acima deste valor, o lucro presumido passa a ser atraente também”.

Clemencia B. Wolthers, conselheira Secional e presidente da Comissão Permanente das Sociedades de Advogados da OAB SP, afirma que a possibilidade de aderir ao Simples Nacional facilita a administração dos escritórios. “A adesão pelo Simples tem que levar em consideração, sem dúvida, a faixa de faturamento, mas também é preciso considerar que reduz a burocracia do escritório, os recolhimentos passam a ser únicos, ou seja, representa uma simplificação administrativa”, completou.