Nota pública: OAB SP aplaude retomada do diálogo com a suspensão de reorganização escolar


04/12/2015

A Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil também é adepta do pensamento do papa Francisco mencionado pelo governador Geraldo Alckmin, ao comunicar hoje (04/12) que adiará a reorganização da rede escolar em São Paulo para ouvir pais, alunos, professores e instituições: “Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo”.

Ao programar o ano de 2016, que seria dedicado à implantação do projeto que gerou polêmica, para que se aprofundem conversas com os envolvidos, o governo merece ser parabenizado. Os estudantes, no momento, vão continuar nas escolas em que estão e não haverá mudança. A OAB SP considera esse movimento um passo de enorme importância para o avanço do diálogo entre as partes interessadas em melhorar a qualidade da educação.

Assumindo o papel de interlocutora, a Secional paulista da Ordem já havia aberto as portas de sua sede, em 26 de novembro, para promover reunião com todos os interessados. Nesse momento, cresciam os protestos em torno da proposta com ocupação de escolas da rede estadual de ensino. Nos últimos dias, as manifestações se intensificaram e os estudantes passaram a ocupar vias de tráfego intenso na capital.

O encontro promovido pela OAB SP teve como objetivo contribuir para o debate sobre o projeto de reestruturação da rede estadual de ensino. Alunos, professores e representes da Secretaria de Educação apresentaram aspectos para a melhoria do ensino, separação de alunos por ciclos de ensino e outros temas como progressão continuada. Também estiveram presentes representantes do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Assembleia Legislativa. Novo encontro estava para ser agendado.

Na função de presidente da OAB SP, estive, durante todo o desenrolar dos acontecimentos, em constante contato com o governador Geraldo Alckmin e com os secretários de Estado da Segurança, Alexandre de Moraes, e da Educação, Herman Voorwald. A busca do diálogo, que defendemos, sem dúvida é o melhor caminho.

Marcos da Costa
Presidente da OAB SP