Em rede, caminhoneiros impõem canal horizontal de negociação

Tweet

Considerados os últimos cinco anos, os brasileiros não são mais surpreendidos. Nesse curto período, o País passou por impeachment, respirou escândalos infindáveis envolvendo nomes tradicionais da vida pública, e assistiu, como nunca, a marchas, manifestações e panelaços em praticamente todos estados da Federação. Em maio de 2018, vivemos mais um capítulo do caldeirão fervilhante de nossa História: a paralisação de caminhoneiros que, desencadeada via WhatsApp, parou por dez dias a Nação. Motivada pela variação diária do reajuste do diesel atrelado à variação cambial, essa mobilização exibiu múltiplas lideranças, sem interlocução com autoridades, e capaz de promover caos e o desabastecimento de norte a sul. Tornou-se urgente a busca de um diálogo que contribuísse para um desfecho sem maiores tragédias.

Diante da percepção de que negociações feitas com sindicatos e associações não eram reconhecidas por grupos de caminhoneiros autônomos, e agravada pela decisão do Governo Federal de usar as forças de segurança para obrigar a desocupação das estradas – o que poderia levar ao enfrentamento e piorar  ainda mais o desabastecimento que já prejudicava serviços públicos básicos entre outros –, pedi à rede de advogados da OAB São Paulo, que atuam nesse segmento, para localizarem as micro lideranças que representassem esses caminhoneiros não representados.

Muitos dos que sustentaram os dez dias de greve são trabalhadores sem qualquer vínculo sindical, partidário ou representam interesse empresarial. O foco deles estava no equilíbrio da equação que resolvesse a difícil situação financeira em que estavam metidos. O pagamento dos fretes não mais cobria custos das viagens e nem da manutenção dos veículos. A conta não fechava. Simples assim. 

Na ação desencadeada pela OAB Paulista, o desafio inicial foi estabelecer credibilidade entre todos os envolvidos. Não conhecíamos aqueles com quem falávamos e eles nunca haviam sentado em uma mesa com autoridades para defender seus pleitos. Foi tateando nesse ambiente que se firmou o desenlace. O novo mundo digital se expressa com agilidade e é mais fácil convergir opiniões e formar grupos, ao mesmo tempo em que lidamos com um universo fragmentado que exige, mais do que nunca, abertura para o debate em busca de consensos. Sem eles é impossível a convivência. Começamos assim a moldar uma solução que, pautada pelo diálogo, responsabilidade e confiança, permitiu apresentar aos governos Federal e Estadual os reclamos deles e, com isso, avançamos nas negociações.

Foi importante nesse contexto o Palácio dos Bandeirantes ter recebido o grupo após a reunião preliminar na sede da OAB SP para uma conversa olho no olho. Os caminhoneiros autônomos encontraram no governador Márcio França um interlocutor disposto à conversa. Foram cinco dias de idas e vindas que acompanhamos de perto. E, à medida que o governo estadual e as lideranças presentes se acertavam, como no caso da proposta da suspensão do pedágio por eixo suspenso, os caminhoneiros, de seu lado, foram dando demonstração de sua capacidade de articulação com seus companheiros parados nas pistas, liberando inicialmente trechos da Rodovia Régis Bittencourt. Conectados por meio das redes sociais, transmitiam decisões para os colegas nos bloqueios concentrados nos centros de distribuição de combustíveis em São Paulo e em diversos pontos ao longo das principais estradas. 

O episódio foi uma vitória do diálogo e realça, apesar do momento que vivemos no País, como a democracia pode trazer soluções perenes. A via da ponderação parece não ter popularidade nas rodas de conversas do Brasil de hoje, onde a toada da urgência dá o ritmo. Tudo é para ontem. Mas a negociação sempre será o caminho acertado para conduzir as mudanças necessárias para a sociedade, mesmo que, como agora, organizada de maneira “horizontalizada e em rede on-line”.

Marcos da Costa

Presidente da OAB SP

Artigo originalmente publicado pelo site Poder360: https://www.poder360.com.br/opiniao/brasil/nas-redes-caminhoneiros-impoem-canal-horizontal-de-negociacao/